Páginas

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

71 - "Inocente?"

Cesc liga à mãe.
Mãe – Bom dia, filho. Feliz Ano Novo!
Cesc – Obrigada, mãe. Para vocês também.
Mãe – Então como foi a passagem?
Cesc – Foi muito boa. Passei-a com o pessoal do Barça.
Mãe – E com a Ana, certo?
Cesc – Sim, passei. Por falar nisso, tenho uma novidade sobre nós para te contar.
Mãe – Diz, filho.
Cesc – Eu e Ana estamos a viver juntos desde ontem.
Mãe – Parabéns, filho! Espero que corra tudo pelo melhor. Ela parece uma excelente pessoa.
Cesc – Mãe, eu sei que as revistas têm explorado ao máximo o passado da Ana, mas eu peço-te para que o esqueças, porque nós estamos a tentar curá-lo para depois enterrá-lo.
Mãe – Claro, filho. Não te preocupes. Aliás, eu queria ter-vos aos dois presentes na ceia de Reis, o que me dizes?
Cesc – Obrigado pelo convite. Eu vou falar com a Ana e depois dou-te uma resposta, mãe.
Mãe – Está bem, filho. Adeus.
Cesc – Adeus, mãe. Um beijo.
Cesc desliga e pega no telemóvel de Ana para mandar a mensagem que ela lhe tinha pedido, mas o telemóvel começa a tocar. Era a mãe de Ana.
Cesc – Amor, a tua mãe está a ligar.
Ana (aos gritos desde a casa de banho) – Atende, se faz favor.
Cesc atende o telemóvel.
Cesc – Sim?
Mãe de Ana – Quem fala?
Cesc – É o Cesc.
Mãe de Ana – Ah olá. A Ana onde está?
Cesc – Ela está no banho.
Mãe de Ana – No banho? Desculpa, não estou a perceber.
Cesc – Eu e a Ana estamos a viver juntos.
Mãe de Ana – Não sabia. Parabéns!
Cesc – É algo bastante recente.
Mãe de Ana – Compreendo. Espero que corra tudo bem.
Cesc – Obrigado. A Ana tinha-me pedido para lhe mandar uma mensagem a desejar-lhe um bom ano novo.
Mãe de Ana – Muito obrigada. Cesc, posso pedir-te uma coisa?
Cesc – Claro que sim.
Mãe de Ana – Trata bem da Ana.
Cesc – Claro. Nem era preciso pedir.
Mãe de Ana – Ela já estava a precisar de alguém como tu na vida dela há muito. Manda-lhe um beijo meu.
Cesc – Um beijo para vocês também.
Mãe de Ana – Adeus, Cesc.
Cesc – Adeus.
Segundos após Cesc desligar a chamada, Ana sai da casa de banho.
Cesc – Não apanhaste a tua mãe por segundos. Ela mandou-te um beijo.
Ana – Eu bem me tentei despachar. Mas não consegui chegar a tempo. Eu depois ligo-lhe. Agora, vou ligar à Di.
Ana, apenas em toalha, senta-se no colo de Cesc, pega no telemóvel e liga a Adriana.
Di – Bom dia!
Ana – Bom dia, grávida! Recuperada da noite de ontem?
Cesc beijava os ombros descobertos de Ana, que se arrepiava ao ritmo dos beijos do espanhol.
Di – Claro! Pronta para outra!
Ana (para Cesc) – Para quieto!
Di – Ah?
Ana – Esquece, não era para ti. Olha, hoje almoçar fora e uma tarde de compras, que achas?
Di – Acho fantástico.
Ana (para Cesc) – Francesc Soler.
Di (que ouvia os beijos e os comentários) – Ok, acho que estou a mais!
Ana – Pois, a ligação está com algumas dificuldades. Então, encontrámo-nos na Praça daqui a uma hora. Diz ao menino Alexis para não se atrasar!
Ana desliga o telemóvel.
Ana – O menino estava a achar piada a interromper a conversa?
Cesc – Estava a interromper? Desculpa, não percebi.
Ana – Francesc Soler tira-me esse sorriso malandro dos lábios!
Cesc (continuando com os beijos) – Malandro? É tão inocente.
Ana (beijando Cesc) – Inocente?
Cesc (no meio dos beijos) – Muito.
Cesc acaba por deitar-se por cima de Ana, no meio de muitos beijos e muitos risos. Os seus beijos demonstravam o quanto se desejavam. Cesc estava apenas de boxers e Ana de toalha, o que fazia com que o toque dos seus corpos aumentasse esse desejo. Cesc percorria o corpo de Ana e os dois deixavam-se levar pelo momento. Quando Cesc se preparava para retirar a toalha a Ana, o telemóvel da jovem toca. Os dois tentaram ignorar o toque do telemóvel, mas era impossível e Ana decidiu ver quem era.
Ana – É o meu stor da Universidade…
Cesc – Atende.
Ana atende.
Ana – Sim?
Professor - …
Ana – Muito obrigada. Um bom ano novo para si também.
Professor - …
Ana – Diga.
Professor - …
Ana – O quê? Está a falar a sério?
Professor - …
Ana – Claro que quero. Eu vou já para aí. Até já.
Professor - …
Ana desliga.
Ana (saindo debaixo de Cesc) – Amor, desculpa mas vou ter de sair.
Cesc – O que se passou?
Ana – Preparas-me o pequeno-almoço, enquanto me preparo para sair? Já te conto.
Cesc (beija-a) – Claro.
Ana vai para a casa de banho e Cesc vai para a cozinha preparar o pequeno-almoço. Quando Cesc voltou ao quarto, já Ana estava quase pronta.
Cesc – Uau, que rapidez. Explica lá o que se passou.
Ana (arranjando-se) – O meu professor convidou-me para participar numa cesariana de gémeos!
Cesc – Ah…
Ana – Sei que não parece nada espetacular, mas é a primeira cirurgia em que vou participar. O meu stor testou-me e teoricamente eu tenho o 4º ano de medicina.
Cesc – Tens conhecimentos até o 4º ano?
Ana – Sim, é isso.
Cesc – Então, porque não passas diretamente para o 4º ano?
Ana – Porque me falta a vertente prática.
Cesc – Ah percebi! Então é mesmo importante?
Ana – Sim é! Posso levar o teu carro?
Cesc – Claro! E o almoço?
Ana – Depois manda-me o nome do restaurante e eu vou lá ter – disse já saindo
Cesc – Amor?
Ana – Que foi? Ai o teu beijo, já me esquecia.
Ana beija Cesc.
Cesc – Não era só isso. O pequeno-almoço.
Ana – Ia-me esquecendo completamente.
Num minuto, Ana comeu tudo o que Cesc lhe tinha preparado, e preparou-se para sair.
Cesc – Ana?
Ana – Diz…
Cesc – Desculpa por…por…
Ana – Por…
Cesc – Por nos estarmos a envolver…
Ana (rindo-se) – Isso é contraditório…
Cesc – Ah?
Ana – Como tu disseste: NÓS estávamos a envolver-nos. Não o estavas a fazer sozinho. E eu não me arrependo do que estava a fazer.
Cesc – A sério?
Ana – Sim, a sério. Eu é que te tenho de pedir desculpa pela interrupção. Mas eu prometo que depois acabamos o que começamos.
Ana dá um beijo a Cesc e sai já a correr.
Cesc – Boa sorte! – gritou de uma janela da casa.
Ana piscou-lhe o olho, entrou no carro e conduziu até ao hospital.

domingo, 29 de janeiro de 2012

70 - " 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1, Feliz Año Nuevo!"

Julia – Uh… olha quem vem tão agasalhadinha…
Todas se riem.
Ana – As meninas estão muito animadas… O que é que perdi?
Patricia – Estávamos a tentar prever o nosso 2012.
Ana – Ui que medo! Previram algo para mim na minha ausência? – disse brincando.
Carol – Claro! Vimos casamento e bebé!
Ana – Ui então viram muito mal!
Di – Estás a gozar, certo? Tu e o Cesc ficam tão bem juntos…
Ana – Sim, mas estamos bem assim. Não vejo necessidade de nos casarmos ou de termos um filho já neste ano. Quero levar as coisas com calma.
Yolanda – Então, se ele te pedisse em casamento, recusavas?
Ana – Sim, recusava. Claro que não lhe dava um “não” duro. Explicava-lhe a minha filosofia de vida. Mas também não acho que ele esteja a pensar em casamentos! E quanto a bebés, já vamos ter o menino Thiago para mimar!
Antonella – É verdade! E já deu para perceber que tem um papá babadinho!
Ana – Sim, menina Adriana, o Alexis saiu-te um pai tão fofinho…
Di – Sim, eu arranjei um marido perfeito!
Carol – Ai, ela está tão apanhadinha!
Ana – Dizem que o amor é assim, eterno!
Di – Claro que é! Mas nesse sentido nós estamos todas muito bem!
Antonella – É mas tu és a única com um bebé a caminho e com um papá babado!
Ana – E nem vocês imaginam como…
Yolanda – O que é que nós não sabemos?
Di – Ana, está calada.
Ana – O Alexis quer assistir ao parto e a Adriana está em pânico com medo que ele desmaie lá dentro!
Todas – Ahahahah
 Di – Meninas, isto não tem piada!
Julia – Adriana, se ele quer assistir deixa-o assistir. Vais precisar do apoio dele. E é o início da vida do filho dele é normal que ele queira estar presente.
Di – Talvez, tenhas razão. Mas ainda faltam mais de quatro meses, vamos ter muito tempo para pensar nisso. Agora, acho que vamos começar a pouco e pouco a preparar a chegado do Thiago. Ainda só hoje começamos a comprar roupas e a receber chupetas – disse, sorrindo para Ana.
Julia – Oh vocês vão adorar! Há coisas tão giras para bebés!
Thiago – Meninas, é quase meia-noite! Venham para dentro, cuscas!
Julia – Cuscas?! Vocês é que estavam lá dentro muito entretidos!
Thiago – Isso é tudo saudades, é? – beija Julia
Ana – É melhor irmos para dentro, é!
Julia – Ai meninas, foi só um beijinho!
Ana – Vamos?
Todos se riram e seguiram para dentro.
Ana – Meninos, e se fôssemos até à praça fazer a contagem? Temos quinze minutos para chegar lá!
David – Boa ideia! Vamos lá!
Todos alinharam e saíram. Já estavam na Praça da Catalunha, quando começaram a fazer a contagem.
Todos – 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1, Feliz Año Nuevo!
Ouviram-se os primeiros foguetes, viram-se os primeiros beijos e abriram-se as primeiras garrafas de champanhe. Já passava das duas da manhã, quando voltaram para casa de David. Adriana estava visivelmente cansada.
Alexis – Meninos, foi uma noite ótima. Mas a minha menina está exausta. Vamos voltar para casa.
Di – Alexis, se quiseres podemos ficar.
Alexis – Não, tu e o Thiago precisam de descansar. Vamos voltar para casa. Adeus, meninos!
Di – Adeus!
Todos – Adeus!
Adriana e Alexis saíram abraçados. Adriana estava visivelmente cansada. Entraram no carro e Alexis baixou o banco de Di e conduziu até a casa. Quando chegaram a casa, Adriana dormia profundamente. Alexis saiu, deu a volta ao carro e abriu a porta de Adriana. Pegou-a ao colo, o que fez com que ela acordasse.
Di – Alexis, podes pôr-me no chão. Eu consigo entrar sozinha.
Alexis – Adriana, eu levo-te.
Alexis entrou em casa e levou Adriana até à cama. Ajudou-a a vestir o pijama e foi até à casa de banho, preparar-se para dormir. Quando voltou ao quarto, Adriana dormia profundamente em cima da colcha. Alexis acordou-a ligeiramente, enquanto a punha debaixo dos lençóis.
Alexis – Dorme, amor.
Adriana aconchegou-se a Alexis e adormeceu.
Entretanto, Ana e Cesc chegavam a casa.
Cesc – Ana, tenho um…presente para ti.
Ana – Mostra!
Cesc dá-lhe um envelope.
Ana – O que é isto?
Cesc – São dois bilhetes para irmos ao Vicente Calderón!
Ana (desiludida) – Vamos visitar o estádio do Atlético de Madrid…
Cesc – Não. Nós vamos ao estádio do Atlético ver os Coldplay.
Ana abre o envelope de imediato e encontra dois bilhetes para o concerto.
Ana – Obrigada! – disse saltando para o colo de Cesc, abraçando-o e beijando-o.
O beijo intensificou-se e os dois foram deixando-se levar pelo momento. Contudo, quando Cesc levou as mãos ao fecho do vestido de Ana, esta parou-o.
Ana – Desculpa, Cesc, mas…
Cesc – Não peças desculpa. Eu percebo que não te queiras expor.
Ana – Obrigada.
Cesc – Vamos estrear a nossa cama?
Ana – Claro! Eu estou exausta.
Cesc – Ainda bem que amanhã temos folga.
Ana – Mesmo!
Os dois dirigiram-se para o quarto e rapidamente adormeceram nos braços um do outro.

Dia seguinte
Eram já 11 da manhã, quando Ana acordou. Cesc já a olhava há algum tempo.
Cesc – Bom dia!
Ana – Bom dia! – deu-lhe um beijo – então, dormiste tão bem como eu?
Cesc – Não.
Ana – Não?
Cesc – É tão difícil dormir quando posso passar a noite a olhar para ti…
Ana – Ai assustaste-me! Que parvinho que me saíste!
Cesc – Eu dormi otimamente, não te preocupes.
Ana – Ainda bem. Isso quer dizer que a nossa caminha nova está aprovada, certo?
Cesc – Mais do que aprovada. Por falar em caminha nova…
Ana – Ui…
Cesc – Não é preciso assustares-te. Eu estive a pensar que podíamos aproveitar este dia para eu me mudar definitivamente para aqui e para irmos a umas lojas de decoração de casas.
Ana – Hum… eu acho muito bem! Afinal, temos de moldar a nossa casa a nós próprios.
Cesc – Exatamente.
Ana – O que achas se eu convidar a Di e o Alexis a virem connosco? Eles têm o quarto do Thiago por decorar…
Cesc – Hum… por mim tudo bem.
Ana – Obrigada. Então, eu vou tomar um banho e vestir-me. Depois telefono à Di, ok?
Cesc – Sim, pode ser. Vou ligar aos meus pais a desejar-lhes um bom ano novo. Ainda não o fiz.
Ana – Tchii! Esqueci-me completamente. Manda uma mensagem do meu telemóvel, à minha mãe, mandas?
Cesc – Claro, amor.

69 - "O Alexis quer assistir ao parto."

Di – Então, tinhas assim tantas saudades minhas para me procurares?
Alexis – Eu tenho sempre saudades tuas. – disse levantando-se um pouco para dar um beijo a Adriana.
Di – Sim, senhora… tenho um marido muito fofinho e não sabia…
Alexis – Então, já ganhámos a noite!
Alexis encosta-se às pernas de Adriana, que lhe acariciava a cabeça e a face. Os dois olhavam o céu em silêncio.
Di – Estás a pensar em quê?
Alexis – Em nós, nós os três. Daqui a 4 meses será tudo tão diferente. O Thiago já vai ter nascido,
Di (incomodada) – Pois…
Alexis percebe que algo não está bem e volta-se para Adriana.
Alexis – Que resposta foi essa? O que se passa?
Di – Nada, Alexis, nada.
Os olhos de Adriana já brilhavam e uma lágrima acabou por cair. Alexis levantou-se e sentou-se ao pé de Di.
Alexis – Amor, que se passa? Estou preocupado.
Di – Alexis, eu tenho medo.
Alexis – Medo? Medo de quê?
Adriana permaneceu calada.
Alexis – Di, fala comigo. Na alegria e na tristeza, lembras-te?
Adriana abana com a cabeça afirmativamente e começa a falar.
Di – Tenho medo do que vem aí. É muito mais fácil tê-lo cá dentro – disse acariciando a sua barriga – eu tenho medo de não ser uma boa mãe, tenho medo de não ter capacidade de cuidar deste filho. Para além disso, tenho pavor ao parto.
Alexis – Porque não falaste comigo, Adriana? Sabes que podes contar comigo para tudo, não sabes?
Di – Sei, amor, sei.
Alexis – Pavor ao parto? Como? Porquê?
Di – Eu ultimamente tenho sonhado com o parto. Da última vez, eu…eu…morria no parto.
Alexis abraça Adriana.
Alexis – Amor, isso não vai acontecer. Nós vamos ser os melhores pais que conseguirmos.
Di – Alexis…
Alexis – Diz, Adriana.
Di – Promete-me que, se eu….que, se eu morrer…
Alexis tapa a boca a Adriana.
Alexis – Amor, ouve bem. Tu não vais morrer, nós fomos feitos para ser felizes, os três juntos! Di, o nosso amor foi tão grande que surgiu outra vida. E o nosso amor vai ser suficientemente grande para cuidar dessa vida. Nós temos é de pensar no futuro! Sabes, devíamos pensar no quarto dele.
Di sorri-lhe. Alexis limpa-lhe as lágrimas, contendo as suas. Di acaba por encostar-se a ele e por esquecer as palavras que tinha proferido. Cesc interrompe-os quando eles se beijavam.
Cesc – Desculpem, desculpem. Se soubesse que estavam…assim, não tinha vindo.
Alexis – Começo a achar que foi vingança…
Di – Vingança?!
Alexis – É, eu interrompi o casalinho há pouco.
Cesc – Não, não foi vingança! Simplesmente, vim chamar-te para o último torneio de PES do ano!
Alexis – Hum… Amor, importas-te que vá mostrar àqueles coxos como se faz?
Di – Não, claro que não. Vai lá. Eu vou ficar aqui só mais um bocadinho e já vou para dentro.
Alexis – Ok, fica com o meu casaco. Aqui está frio. Só mais uma coisa: eu vou estar contigo nesse momento.
Di – Que momento?
Alexis – O parto.
Alexis dá o casaco a Di e vai para dentro. Pouco tempo depois, Ana aparece.
Ana – Aqui sozinha?
Di – Sim.
Ana – Di, estiveste a chorar?
Di – Mais ou menos.
Ana – Fala comigo…
Di – Ana, eu tenho receio do parto. Eu tenho sonhado com isso e num sonho eu morria.
Ana – Adriana, vai tudo correr bem. Está a ser uma gravidez normal.
Di – Eu já tive de deixar de trabalhar.
Ana – Isso foi uma questão de precaução.
Di – Ana, promete-me que ajudas o Alexis a tomar conta do Thiago, se eu…
Ana (interrompendo) – Adriana, nem te atrevas a dizer isso! Isso é absurdo.
Di – O Alexis quer assistir ao parto.
Ana – Qual é o problema?
Di – Ana, os homens são um bocado…sensíveis a esses momentos. E se ele fica traumatizado?
Ana desata a rir.
Di – Ana, isto não tem piada!
Ana – Di, é um parto, não é um estripamento!
Di – Espero que ele se mantenha firme.
Ana – Claro que vai manter!
Di – Muito bem disposta a menina…
Ana – A vida corre-me bem!
Di – Conta lá…
Ana – Estou a recuperar o meu corpo, estou bem com o Cesc, a família dele aceitou-me de braços abertos, ele aceitou viver comigo! Que mais posso pedir?
Di – Vocês vão viver juntos?
Ana – Sim! Eu pedi-lhe e ele aceitou. Estamos a montar o nosso lar!
Di – Oh parabéns! Mas não é só isso, pois não?
Ana – Di, eu quero ir mais longe com ele, não sei se estás a perceber…
Di – Tu sentes-te preparada para te envolver fisicamente com ele?
Ana – Sim, sinto. Acho que só não aconteceu porque eu não me sinto confortável por o meu corpo estar assim…
Di – Mas tirando isso sentes-te mesmo preparada?
Ana – Eu acho que sim. Mas vou esperar. Olha, vamos lá para dentro! Está frio cá fora.
As duas seguem para dentro. Ana vai para o colo de Cesc e Adriana senta-se ao pé de Alexis, que disputava um jogo com Xavi. Pouco tempo depois, Adriana sente Thiago dar pontapés.
Di – Alexis, ele está a dar pontapés!
Alexis larga de imediato o comando e põe as mãos sobre a barriga de Adriana.
Alexis – Eu estou a senti-lo, estou a senti-lo!!!
Alexis e Adriana estavam a explodir de felicidade.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

68 - "Thiago 1 – restante plantel 0"

David – Finalmente! O casalinho chegou! Eram os únicos que faltavam.
Alexis – Os únicos? Que eu saiba o Cesc e a Ana não estão cá.
Xavi – Xavi cruza e Alexis atira ao lado! Escandaloso!
Todos se riem.
Alexis – Não percebi nada!
David – Anjinho, falhaste! O Cesc e a Ana estão na varanda.
Alexis – Ah ok! Podiam ter dito logo isso! E eles estão lá porquê?
Pedro (Rodríguez) – Este Alexis está cada vez pior… Estão a apanhar sol às oito da noite, queres ver?
Alexis – Já percebi!
Todos se riem.
David (pondo a mão na barriga de Di) – Já temo por ti, puto!
Alexis – Olha-me este! Que estás para aí a dizer ao meu filho?
David – Que se sair ao pai está tramado!
Alexis – Ah ah ah olha a piadinha do menino!
As coisas estavam bastante animadas na sala. Havia o espírito de festa e ao mesmo de união entre todos. Entretanto, Ana e Cesc estavam na varanda. Cesc tinha-se sentado no puff amarelo que lá se encontrava e Ana tinha-se sentado sobre ele. Como a noite estava fria, o espanhol tinha-a tapado com o seu casaco. Trocavam intensos beijos e carinhos. Por vezes, simplesmente olhavam o céu estrelado. Ana olhava-o com bastante atenção, fascinada com aquele espetáculo que a Natureza lhes proporcionava.
Cesc (sussurrando-lhe) – “Look at the stars, look how hey shine for you” [Olha para as estrelas, vê como elas brilham por ti]
Ana – “And everything you do. They were all yellow” [E por tudo o que tu fazes. Elas eram todas amarelas] Coldplay.
Cesc sorri-lhe.
Cesc – Não te escapa nada.
Ana – Nesta música acho que pouca coisa me escapa.
Cesc – Então, certamente terás uma frase de eleição…
Ana – Sim, tenho. “Do you know? You know I love you so, You know I love you so” [Tu sabes? Tu sabes eu amo-te tanto, tu sabes eu amo-te tanto]
Cesc – Adoro. Era a frase que escolherias para me dizer?
Ana – Sem sombra de dúvida. E tu?
Cesc – Eu talvez optasse por  “Do you know? For you I'd bleed myself dry, For you I'd bleed myself dry” [Tu sabes? Por ti eu daria todo o meu sangue, Por ti eu daria tudo o meu sangue]
Ana arrepia-se com as palavras de Cesc, que apenas a beija de forma apaixonada. Um beijo puro, ingénuo, em que os seus lábios se completavam e as suas línguas se envolviam tal como o mar se envolve com a areia. Beijo esse interrompido por Alexis.
Alexis – Ups! Desculpem. Desconfiava que iam estar...nisso, mas a minha mulher e o meu filho estão com fome, portanto vamos lá jantar.
Cesc – Boa noite para ti também!
Alexis – Sim, sim, como se fosse preciso desejar-vos uma boa noite com vocês nessas coisas.
Ana – O menino por acaso não tem uma família para mimar?!
Alexis – Sim, tenho. E é exatamente isso que estou a fazer. A lutar pelos interesses da minha família, que neste momento são comer!
Os três acabam por perder-se a rir com a expressão e seguem para a mesa. Durante o jantar, o plantel resolveu picar Adriana.
David – Oh Alexis tens a certeza que é só um puto?
Alexis – Claro que tenho! Que raio de pergunta é essa?
David – Por nada, por nada. A Adriana é que come por ela e por mais 4!
A gargalhada é geral perante o olhar sério de Adriana, que acaba também por desatar a rir.
Di – Olha, mas tanta preocupação porquê? Não compraste comida suficiente foi?
David – Para ti, não – disse rindo-se.
Alexis – Olha, deixa lá em paz a minha menina. Tu estás é com inveja!
David – Só se for de conseguir comer tanto como ela…
Ana – Ai deixem a Adriana e o Júnior em paz! Nunca ouviram dizer que não se goza com uma grávida?
Xavi – Não! – ahahahah – olha, por falar em Júnior, nunca mais se dá nome ao campeão?
Alexis – Quem disse que ainda não demos?!
Os olhos de todos os que estavam na sala fixam-se em Alexis e o silêncio invade a sala de jantar.
Alexis – Que foi?
Xavi – Já lhe deram o nome?
Ana – Ei! A madrinha e padrinho de casamento dos pais do miúdo, que para quem não sabe sou eu e o Cesc, deviam ter essa informação de forma privilegiada! – ri-se – Digam lá!
Di – Vai chamar-se Thiago.
Thiago (Alcantara) – Thiago 1 – restante plantel 0! Eu sabia!!!
David – Thiago? David era muito mais imponente!
Xavi – David? Xavier, sem dúvida!
Cesc – Estão a delirar vocês! E Francesc?
Ana – Até tu?!
Xavi – Quando um começa,…
Ana – Todos começam.
A risota é geral. Pouco tempo depois, voltam para a sala e Ana e Di vão até à varanda.
Ana – Di, tenho uma coisinha para ti.
Di – Para mim?
Ana – Pronto, para o Thiago. Toma.
Ana entrega a Adriana um embrulho, que Adriana abre.













Di – Obrigada, Ana!
Ana – É um presentinho simbólico. Eu e o Cesc vimos e não resistimos a não comprá-las.
Di – Obrigada! Por falar em Cesc, ouvi dizer que ias conhecer os pais dele…
Ana – Ouviste bem! Os pais, a irmã, a avó, o primo…
Di – Ui! Conta lá isso.
Ana – Resumindo: almoçamos com os pais dele, com a irmã e com a avó. E pelos vistos eu devia ser assunto antigo, porque não fui surpresa para ninguém. Já sabiam o meu nome e tudo! A irmã dele sabe a nossa história toda.
Di – Ahahah mas tu falaste em primo…
Ana – Quando íamos a sair um primo dele, acompanhado da mulher e do filho de 3 meses, apareceu e conhecemo-nos.
Di – Um bebé? Como é que ele era?
Ana – Lindo, Di. E…
Di – E…
Ana – O Cesc fez logo questão de pegar nele.
Di – A sério?
Ana – Sim, ele tem um à vontade enorme com bebés. Fiquei estupefacta!
Di – Oh que fofinho…
Ana – O pior foi quando ele começou a chorar…
Di – Já estou a imaginar. Foi logo chamar os pais…
Ana – Não, eu instintivamente peguei nele e ele lá se foi acalmando.
Di – Tu pegaste num bebé?
Ana – Sim. É incrível, eu sei. Sabes perfeitamente que nunca o tinha feito depois do aborto, mas aconteceu. Sabes com o Cesc é tudo mais fácil…
Di – Eu gosto de vos ver juntos, ficam…
Alexis interrompe-as.
Alexis – Desculpem. Pensava que estavas cá sozinha, Adriana. Eu estou de saída.
Ana – Não. Eu é que estou de saída. Fiquem à vontade.
Ana sai e Alexis senta-se no chão, em frente a Adriana, que estava no puff.