Páginas

sexta-feira, 30 de março de 2012

89 - "Vamos ter um novo craque?"

Bem, depois de 8 comentários em menos de 24h (a nós nunca nos tinha acontecido), tínhamos de publicar este capítulo mais rapidamente do que esperávamos. Muito obrigada!
Deixámos-vos mais dois links de duas fics nossas. Esperemos que as leiam e que as sigam.
http://quandoumnadasetransformaemtudo.blogspot.pt/
http://desempreparasempre28.blogspot.pt/

Ana – Lá vamos ser nós novidade nas revistas em Espanha…
Cesc – Aquilo incomoda-te bastante, não é?
Ana – Um bocado. Mas compensa…  - voltou a beijá-lo.
Cesc – William, rói-te de inveja a minha Ana é muito mais bonita que a tua Kate!
Ana – Kate, rói-te de inveja! Aqui o meu Cesc tem mais cabelo que o teu William!
Cesc – Uau isso é que foi um elogio… - fingiu amuar Cesc.
Ana – Amor, eu amo-te tanto. Ando a ser tão repetitiva…
Cesc – Não. Um “amo-te” nunca será repetitivo. Eu quero ouvir muitos, muitos, muitos!
Ana – Eu amo-te. Eu amo-te. Eu amo-te. Eu amo-te!!!
Cesc – Isto parece um sonho. Vamos mesmo casar-nos!
Ana – É que agora não me foges mesmo! Então, foi por isto que vieste a Inglaterra!
Cesc – Foi sim. Eu comprei o anel quando te vi pela primeira vez.
Ana – Que convencido! Eu podia ter-te resistido!
Cesc – Não é nada disso. Eu comprei-o para ti e só para ti. Quando nos conhecemos eu senti que se me casasse apenas poderia ser contigo.
Ana baixou a cabeça envergonhada. Cesc colocou o indicador sob o seu queixo e puxou-o para cima, para que Ana o encarasse nos olhos.
Cesc – Ana, eu amo-te desde o primeiro dia em que te conheci. És tão…transparente. Eu percebi logo que também sentias o mesmo por mim, mas sentia também que havia algo que te atormentava. Bem, vamos curar isto juntos. Assim será mais fácil.
Ana beijou Cesc apaixonadamente. Depois ficaram algum tempo com as suas testas encostadas, olhando-se nos olhos e saboreando as carícias puras um do outro.
Ana – Cesc, daqui a uns dias tenho de te dar uma novidade.
Cesc – Porque não a dás agora?
Ana – Prefiro esperar até que estejamos em Barcelona. Preciso de 5 dias.
Cesc – Ui tanto rigor! Vais raptar-me para uma viagem romântica a dois com voo marcado para daqui a 5 dias? – tentou adivinhar Cesc.
Ana – Já percebi que sempre que quiser fazer surpresas para ti não tenho de me preocupar muito. O teu instinto é…qual será a palavra mais indicada? Horrível!
Cesc – Não é uma viagem? Bem, estou assim tão longe?
Ana – Muito, muito longe!
Cesc – Sendo assim é melhor esperar estes dias. Mas fiquei curioso.
Ana – Bom, é esperar. Mas mudando de assunto… Sem dúvida que tens sido um anfitrião fantástico. É a primeira vez que estou em Londres. Uma visita guiada dava jeito!
Cesc – Vamos a isso!
Enquanto que Ana e Cesc passeavam por Londres, Alexis e Adriana encontravam-se na consulta.
Médico – Então, Adriana, como te tens sentido?
Adriana – Muito bem.
Médico – Tomaste todos os cuidados necessários?
Adriana – Sim, tomei. Alimentação, descanso, cuidado com as emoções e com os esforços. Tudinho!
Médico – Alexis…
Alexis – É verdade. A Adriana tem sido uma grávida exemplar!
Médico – Ainda bem. Tens sentido algum tipo de desconforto?
Adriana – Não, nenhum. Tem sido seguramente a melhor fase da gravidez. Apesar do cansaço e do peso da barriga, não tenho enjoos, nem tonturas, nem azias, nem pés inchados… Tem sido muito bom.
Médico – E pontapés?
Adriana – Bem, acho que nesse aspeto sai ao pai.
Médico – Vamos ter um novo craque?
Adriana – Bem ainda é cedo para dizer. Mas treinar isso ele tem feito! Mas apesar de todos os pontapés, tenho conseguido descansar bem.
Médico – Isso é fundamental. Vamos à ecografia?
Adriana – Claro.
Adriana subiu para a maca e o médico iniciou a ecografia.
Médico – Bem, vamos na 27ª semana não é verdade?
Adriana – Sim é.
Médico – Sabiam que desde as 12 semanas de gestação que o vosso filho já emite sons? Como um choro muito baixinho?
Alexis – A sério? – perguntou surpreendido.
Médico – É verdade. E já tem a capacidade de sentir dor.
Adriana acariciou a sua barriga querendo assim dar uma sensação de proteção ao pequeno Thiago e afastar qualquer ideia de dor.
Médico – Adriana, cuidado com a alimentação. Não o habitues mal!
Adriana – Habituar mal?
Médico – Sim, ele já distingue sabores daquilo que comes.
Adriana – Uau, não imaginava…
Médico – Falam muito com ele?
Adriana – Não muito. Se ele nos ouvisse…
Médico – E ouve! Acreditem que a vossa voz dá-lhe uma sensação de conforto e segurança muito grandes.
Alexis – Isso quer dizer que ele tem a perceção da nossa existência?
Médico – No mais simples significado da palavra “existência”, sim tem. Falem com ele. É muito importante para o seu desenvolvimento.
Adriana – Então se houver um som brusco ele assusta-se?
Médico – Possivelmente.
Adriana – Isso quer dizer que ir a um concerto de rock não é a melhor das ideias…
Médico – Exatamente – riu-se. – Adriana, estás a usar um bom hidratante?
Adriana – Claro.
Médico – Isso é fundamental para a tua pele. Uma gravidez é uma agressão muito grande à tua pele. É como se a estivesse a testar. Mais uma coisa, qualquer mudança com o teu corpo ou sintoma de doença como febre, vómitos, sangramentos, deixares de sentir o bebé como sentes, tens de vir imediatamente ao hospital.
Adriana – Claro, claro – respondeu assustada.
Médico – Não te assustes. É apenas precaução, cuidado.
Adriana – Tudo bem.
Médico – Bem, seis meses… Cheira, ouve, vê, alguns pensam que até sonha…

Adriana e Alexis estavam fascinados com o que ouviam. Para além da tradicional ecografia, fizeram uma em 3D, em que puderam ver Thiago a chuchar no dedo!
Acabaram por terminar a ecografia e voltaram a sentar-se à mesa do consultório.
Médico – Bem, a data prevista do parto é 26 de Junho… Têm pensado nisso?
Adriana – Sim, temos.
Médico – Já optaram por alguma hipótese?
Adriana – Acho que estamos a pensar num parto natural. Com recurso a epidural claro!
Médico – Sim, a epidural facilita muito as coisas. Estou feliz pela vossa opção.
Alexis – Porquê?
Médico – Agora todas as grávidas receiam a dor e enveredam por caminhos como as cesarianas, sem haver necessidade delas. Vão frequentar aulas de preparação ao parto?
Adriana – Sim, vamos. É a favor da ideia?
Médico – Sinceramente, as aulas de preparação ao parto pouco te vão ajudar quando estiveres a dar à luz, mas é certamente bom contactar com esta situação antes de estar nela concretamente. Bem, deixo-vos aqui alguns folhetos – pegou em três ou quatros panfletos e entregou-lhos – Adriana, já sabes! Juízo! E semanalmente com a enfermeira!
Adriana – Eu sei. Não se preocupe.
Adriana e Alexis despediram-se do médico e voltaram para casa entusiasmadíssimos. Quando chegaram sentaram-se no sofá a comentarem tudo o que tinham aprendido naquela consulta. Decidiram ligar a Ana e partilhar o seu entusiamo.
Ana – Olá, grávida!
Adriana – Olá, Ana! Onde andas? Passei por tua casa mas não te vi. Está tudo bem?
Ana – Está tudo perfeito – Ana encontrava-se com Cesc numa banheira cheia de espuma, brindando com champanhe.
Adriana – Ui o que aconteceu?
Ana – Aconteceu tanta coisa. Mas o que interessa é que estou em Londres com o meu noivo – Cesc brindava com beijos na face que eram audíveis por Adriana, que por sua vez recebia as carícias de Alexis no seu rosto e na sua barriga.
Cesc – Futuro marido – sussurrou ao ouvido de Ana.
Adriana – Ai quando voltas? Fiquei curiosa!
Ana – Daqui a dois dias.
Adriana – Vais ter de me contar tudo!
Ana – Claro que conto. Mas não tinhas consulta?
Adriana – Tinha. Descobrimos tanta coisa. Sabias que o Thiago já nos ouve?
Ana – Sim, sabia – Ana riu-se – É medicina. Sabias que quando falas com ele o ritmo cardíaco dele acelera?
Adriana – A sério? Isso quer dizer que…ele reage à nossa voz?
Ana – Exatamente – Cesc impunha um ritmo mais intenso nos beijos – Bem, acho que vou ter de desligar. Tenho…umas coisas para tratar!
Adriana – Eu estou a ver… Aproveitem! Beijo. Ana! Só mais uma coisa: o que disse a Marta?
Ana – Faltam 5 dias.
Adriana – A sério? Ai agora é que fiquei ansiosa!
Ana – Controla essa ansiedade. Olha o rapaz! – os beijos de Cesc intensificavam-se – Di, tenho mesmo de desligar. Tenho…coisas para fazer!
Adriana – Ok ok. Aproveitem! Beijo.
Ana – Beijo!
Adriana desligou.
Alexis – Então, onde anda ela?
Adriana – Londres com o Cesc, a namorar…
Alexis – Por falar em namorar… - aproximou-se ainda mais de Adriana e ela encostou-se ao seu peito – Eu já estou carente de uns beijinhos e de uns miminhos…
Adriana – Oh não seja por isso… - disse beijando-o. Num beijo que se multiplicou noutros tantos.

Olá, meninas!
Hoje não há questões. Há revelações! No capítulo 90, Cesc fica a saber da gravidez de Ana! Há palpites de como será esse momento ou de qual será a reação de Cesc?
Queremos as vossas opiniões!

quinta-feira, 29 de março de 2012

88 - "Estás grávida de 9 semanas e 2 dias."

No meio dos seus pensamentos, Ana lembrou-se que já estava atrasada para a sua consulta. Saiu apressadamente em direção ao hospital. Quando lá chegou, esperou alguns minutos antes de ser atendida pela sua ginecologista e agora obstetra.
Médica – Olá, Ana.
Ana – Olá, Marta.
Marta – Então o que traz por cá a noiva do momento? – Ana e Marta tinham uma relação próxima. Eram amigas e por isso Marta não teve problemas em mostrar a sua satisfação com o noivado de Ana, que ficou cabisbaixa quando ela tocou no assunto.
Marta – Passa-se alguma coisa? – perguntou percebendo que Ana não estava bem.
Ana – Nada que não se resolva.
Marta – Tudo bem. É uma consulta de rotina, certo? – disse já pegando no arquivo de Ana
Ana – Nem por isso. Eu vim cá porque… porque estou grávida.
Marta ficou bastante surpreendida mas de imediato felicitou Ana.
Marta – Parabéns! O Cesc deve ter ficado radiante.
Ana – Pois. Ele ainda não sabe.
Marta – Porque não?
Ana – Eu tenho medo de voltar a ter um aborto. Prefiro ver se está tudo bem, atingir as 10 semanas de gestação e só depois contar-lhe. Não quero que ele sofra se isto não der certo.
Marta – Não concordo. Mas percebo. Sendo assim vamos fazer uns exames e ver como está a correr isso.
Ana fez alguns exames rápidos e trinta minutos depois Marta já tinha algumas novidades para si.
Marta – Bem, os exames que fizemos mostram que está tudo bem com o bebé. Vamos fazer uma pequena ecografia para ter mais algumas informações?
Ana – Claro.
Ana sentou-se na maca e Marta procedeu à ecografia. Uma pequena mancha se distinguia no útero de Ana, era o seu filho. Quando ouviu os seus batimentos cardíacos, não foi capaz de conter as lágrimas.
Marta – Está tudo dentro dos parâmetros normais. Eu gravei a ecografia e dentro de 5 dias já as podes mostrar ao Cesc.
Ana – Não percebi.
Marta – Estás grávida de 9 semanas e 2 dias.
Ana – Tanto?!
Marta – Sim, tanto. Como te tens sentido?
Ana – Muito enjoada. E depois dá-me uns ataques de fome a meio da noite.
Marta riu-se.
Marta – Tudo isso é normal. Tonturas ou desmaios tens tido?
Ana – Uma tontura hoje de manhã.
Marta deu algumas indicações a Ana e receitou-lhe medicação para os enjoos. Despediram-se e Ana voltou para casa, onde adormeceu no sofá quando pouco passava das sete da tarde. Apenas acordou quando a sua campainha tocou. Ana levantou-se e abriu. Era Carlota, a irmã de Cesc, que entrou disparada, querendo levar Ana consigo.
Ana – Calma, para onde me queres levar?
Carlota – Confia em mim. Faz apenas uma pequena mala com as coisas mais indispensáveis. Ana, confia em mim. – pediu novamente
Ana não discutiu mais com Carlota, fez o que ela pediu e seguiu com ela. Entrou no carro dela e pouco tempo depois estavam no aeroporto. Ana tornou a perguntar para onde iriam mas Carlota não lhe respondeu. Ana apenas soube do seu destino quando estavam a fazer o check-in. Iam para Londres.
Ana – Carlota, para que é que vamos para Londres? – Ana sabia que iriam ter com Cesc, mas era tudo o que menos queria naquele momento.
Carlota – Ana, o Cesc está preocupado contigo. Para além disso, ele precisa de ti lá.
Ana – Aconteceu-lhe alguma coisa? – perguntou preocupada.
Carlota – Não. Mas temos de ir. Anda, senão perdemos o avião.
Ana e Carlota embarcaram, chegando a Londres cerca de duas horas depois. Apanharam um táxi e Carlota foi dando indicações ao taxista até uma casa, onde entraram. Era uma casa bastante bonita, a antiga casa de Cesc. Ana sabia que ele estava lá ou que pelo menos tinha lá estado há pouco tempo. A casa tinha o seu cheiro. Ana, exausta, sentou-se no sofá e ligou o telemóvel que desligara há 5 horas atrás. Tinha 14 chamadas não atendidas de Cesc e 3 mensagens!
Carlota – Ana, eu vou só ali abaixo comprar o jantar.
Ana – Ok tudo bem – disse enquanto pensava no que Carla lhe tinha dito.
Carlota saiu e pouco tempo depois alguém chegou. Era Cesc. Ao ver Ana ali, este correu a abraçá-la.
Cesc – Ainda bem que a minha irmã te encontrou. Ana, estava tão preocupado contigo. Estás bem? Porque rejeitaste as chamadas?
Ana – Porque não queria falar contigo.
Cesc – E porque não querias? O que fiz de mal? Diz-me, eu posso tentar remediar algum erro que tenha cometido.
Ana – Hoje estive com a Carla.
Cesc – Ela fez-te alguma coisa? – perguntou preocupado
Ana – Sim. Fez questão de me humilhar e de deixar bem claro que eu não era mulher para ti.
Cesc – O que é que ela te disse?
Ana – Disse-me o que eu já tinha pensado. Que só fizeste o pedido por causa da emoção do jogo.
Cesc – Não, Ana. Eu queria mesmo fazer-to. Eu não me arrependo minimamente de o ter feito e espero que tu não estejas arrependida da tua resposta.
Ana – Não, não estou. Mas…
Cesc – Mas…
Ana – Ela disse-me uma coisa que…me assustou.
Cesc – O que é que ela disse, Ana? – perguntou já tentando imaginar.
Ana – Que em breve voltarias para aqui definitivamente. Porque Inglaterra é a tua vida e que desde que foste para Barcelona que pensas em regressar.
Cesc estava estupefacto com o que tinha ouvido.
Cesc – Ana, isso é uma enorme mentira.
Ana – A sério?
Cesc – Claro, Ana! Eu sou tão feliz em Barcelona! Tenho-te a ti, ao Barça, à minha família, aos meus amigos. Ana, por favor acredita em mim – pediu-lhe olhando-a nos olhos
Ana sentia que ele estava a ser sincero com ela e abraçou-o.
Ana – Desculpa, desculpa. Eu não devia ter-me precipitado.
Cesc – Eu percebo-te, até porque sinto que estás numa situação complicada que não me queres contar. Uma situação que te pressiona e tu incomoda.
Ana – Cesc…
Cesc – Não digas nada. A sério. Eu espero até que queiras falar.
Ana – Obrigada, Cesc – voltou a abraçá-lo – Eu nem te mereço. Obrigado por seres tão compreensivo.
Cesc – Eu amo-te – sussurrou-lhe ao ouvido
Ana – Eu também te amo, muito, muito, muito.
Os dois trocaram alguns beijos, depois Cesc começou a falar-lhe um pouco sobre as diferenças entre Londres e Barcelona. Mas Ana estava exausta e acabou por adormecer. Cesc olhou-a com bastante ternura. Pegou-a ao colo, deitou-se ao pé dela e após olhá-la um pouco, adormeceu.

Dia seguinte
Cesc acordou e Ana espreguiçava-se já de pé em frente à janela do quarto. Cesc levantou-se e foi ter com ela, envolvendo-a pela cintura. Ana sentiu um friozinho no estômago quando Cesc lhe tocou na barriga. Apesar de não saber, Cesc estava pela primeira vez a estabelecer uma ligação com o seu filho. Ana arrepiou-se só de pensar naquilo.
Cesc – Bom dia, amor! – sussurrou-lhe ao ouvido
Ana – Bom dia! – Ana voltou-se para ele para que se beijassem
Cesc – Preciso de um favor teu.
Ana – Hum diz lá.
Cesc – Preciso que te vás preparar para sair. Vamos tomar o pequeno-almoço fora e para além disso eu queria fazer-te…uma surpresa.
Ana – Ui fiquei curiosa.
Cesc – Então vamos preparar-nos e já te mato a curiosidade – disse dando-lhe um beijo.
Ana e Cesc vestiram-se e saíram. Foram até a um café onde tomaram o pequeno-almoço, durante o qual Cesc teve alguns telefonemas um pouco estranhos, em que Ana se apercebia que ele falava quase que em código para ela não saber o que estava a acontecer. Acabaram a sua refeição, Cesc pagou e os dois saíram para o exterior. Estavam perto do Palácio de Westminster.
Ana – Cesc, que telefonemas foram aqueles lá dentro?
Cesc nem teve tempo de inventar uma desculpa. Um rapaz fez-lhe sinal e ele pediu a Ana que se mantivesse no lugar, dirigindo-se ao rapaz. Ana conhecia-o. De repente, e após um grande esforço de memória, Ana reconheceu-o. Era Denilson, um antigo colega de Cesc no Arsenal. Ana remoía na sua cabeça sobre o que se estaria a passar, mas rapidamente Cesc voltou para o pé dela. Ana estava completamente desnorteada.
Ana – Cesc, explica-me o que está a acont…
Ana não teve tempo de acabar a sua frase pois Cesc interrompeu-a.
Cesc – Ana, eu vim até Londres por uma razão muito especial. Precisava de estar com o Denislon que durante 6 meses me guardou uma coisa muito especial que eu vou usar hoje. Isto pode parecer repetitivo mas eu tenho de o fazer isto como deve de ser, porque só o conto fazer uma vez em toda a minha vida.
Ana estava um pouco assustada, até que Cesc pousou um dos joelhos no chão, retirou do bolso uma caixa e com um enorme sorriso, abriu-a. Lá dentro estava…um anel de noivado.
Cesc – Vou fazer novamente a pergunta. Espero receber a mesma resposta.  – respirou fundo – Ana, casas comigo?
Ana – Claro que caso! EU AMO-TE!
Cesc não pôde deixar de reparar que Ana tinha propositadamente usado exatamente as mesmas palavras que tinha dito quando aceitou o seu pedido de casamento em Camp Nou. Levantou-se e beijou-a de forma ofegante. No fim, pegou na sua mão esquerda e fez o anel escorregar pelo dedo da sua noiva, selando de novo o momento com um beijo…presenciado por dezenas de curiosos.

Será que Ana contará finalmente a Cesc que está gravida?

Meninas, esperamos que tenham gostado. O próximo capítulo vai ser quase todo dedicado ao Thiago, já que cada vez mais se aproxima o seu nascimento. Tentaremos fazer um capítulo bastante interessante, revelando algumas curiosidades sobre uma gravidez ;) E a preparação ao parto chega! Veremos como corre! Contamos com os vossos comentários, opiniões e até sugestões. Beijo. Sigam-nos!
Ah pedimos desculpa por não termo postado mais cedo. Às vezes não dá mesmo!

sábado, 24 de março de 2012

87 - "Tu? O que é que estás aqui a fazer?"

Após fazerem amor, os dois adormeceram nos braços um do outro. A meio da noite, Ana acordou esfomeada. Levantou-se, pegou no roupão e foi até à cozinha. Cesc acordou também e foi procurá-la, encontrando-a a comer perto da janela da sala.

Cesc – De pé a comer às 4 da manhã? Ana, que se passa?

Ana (atrapalhada) – Nada, amor. – deu-lhe um beijo – Foi…muita atividade só isso.

Cesc – Tudo bem. Agora volta comigo para a cama.

Ana acabou de comer e voltou para a cama com Cesc. Após alguns beijos e algumas palavras carinhosas, voltaram a adormecer. Eram 10 da manhã, quando Ana acordou, devido ao barulho que Cesc fazia ao preparar a sua mala para ir a Inglaterra.

Ana – Bom dia.

Cesc – Bom dia, amor – aproximou-se dela e beijou-a – desculpa ter-te acordado.

Ana – Não faz mal. Eu ia ter de acordar de qualquer maneira. Assim, aproveito e ajudo-te com isso.

Ana começou a levantar-se lentamente. Já de pé, levou as mãos à cabeça, sentindo-se tonta. Cesc largou logo a roupa que tinha nas mãos para a ir segurar.

Cesc – Ana, que se passa? – perguntou preocupado

Ana – Deve ter sido só uma quebra de tensão – disse agarrada a Cesc tentando recuperar

Cesc – Não, Ana, não deve. Andas tonta, indisposta, dá-te ataques de fome a meio da noite… acho que não devia ir a Inglaterra e deixar-te sozinha.

Ana – Cesc, podes ir. Não te preocupes.

Cesc – Como posso não me preocupar? Tu não estás bem.

Ana – Eu prometo que faço exames.

Cesc – Fazes mesmo?

Ana – Sim, faço. Agora vamos lá tratar das malas.

Ana ajudou Cesc com as malas, tomaram um banho juntos e acabaram por comer o pequeno-almoço numa esplanada. Depois Cesc seguiu para o aeroporto e Ana voltou para casa, onde estudou bastante. Às três da tarde, recebeu um telefonema de Cesc a avisá-la de que tinha chegado a Inglaterra e de que tinha corrido tudo bem.

Entretanto, Alexis e Adriana namoravam um pouco no sofá, enquanto que tentavam ver umas roupas para Thiago, quando tocaram à campainha. Alexis foi abrir.

Alexis – Tu? O que é que estás aqui a fazer?

Marcelo – Calma. Não me dês já um murro. Não venho para criar confusões. Vim para esclarecer as coisas contigo e com a Adriana.

Alexis olhou para Adriana, como que perguntando o que fazer, e decidiu deixar Marcelo entrar. Alexis voltou a sentar-se ao pé de Adriana e Marcelo, após cumprimentá-la, sentou-se num puff.

Marcelo – Bem, eu queria pedir-vos desculpa pelas confusões que existiram por minha causa. Eu não tinha a intenção de prejudicar nenhum de vocês, acreditem. Sei que devia ter respeitado o facto de vocês serem um casal. E peço-vos desculpa por não o ter feito. Eu apenas vos peço a vossa compaixão e amizade.

Adriana – Bem, para mim um pedido de desculpas, conta muito, portanto posso dar-te outra oportunidade.

Marcelo – Obrigado, Adriana. Alexis?

Alexis – Não vamos ser propriamente os melhores amigos, mas acho que posso conter a minha vontade de te desfrisar o cabelo ao murro sempre que te vejo.

Marcelo – Bem, acho que vou considerar isso uma nova oportunidade… Obrigado aos dois. Precisava mesmo do vosso perdão.

Alexis – Estás perdoado. Mas não voltes a repetir. Para a próxima as coisas ficam feias.

Marcelo – Não vai haver próxima, garanto-te.

Adriana – Marcelo, tu vais encontrar uma rapariga especial, acredita.

Marcelo – É, talvez tenhas razão. Bem, acho que vou embora. Obrigado mais uma vez e boa sorte para a nova aventura, papás.

Adriana – Obrigada, Marcelo.

Marcelo – Bem, adeus. – Marcelo levantou-se e despediu-se de Adriana.

Alexis – Eu acompanho-te à porta.

Marcelo – Tudo bem. Adeus, Adriana.

Adriana – Adeus.

Alexis foi com Marcelo até à porta.

Marcelo – Sei que nada pode apagar o que eu fiz, mas eu espero que as coisas melhorem.

Alexis – Vamos começar de novo.

Marcelo – Obrigado.

Alexis – Não estás farto de agradecer?

Marcelo riu-se.

Marcelo – Adeus. E toma conta deles!

Alexis – Vou tomar.

Os dois apertaram as mãos e Marcelo acabou por ir embora, regressando Alexis à sala.

Adriana – Não o esperava aqui.

Alexis – Nem eu…

Adriana – Foi um gesto impecável da parte dele.

Alexis – É verdade. Tenho que reconhecer que foi admirável o que ele fez.

Adriana olhava admirada para Alexis, pois não esperava tanta compreensão por parte dele.

Alexis – Adriana, não me olhes assim – sentou-se ao pé dela – Toda a gente merece uma segunda oportunidade, não é verdade?

Adriana beijou de imediato Alexis.

Adriana – Tenho tanto orgulho em ti, amor. Só tu para conseguires perdoar isto e tentar começar de novo.

Alexis – Sabes que o faço por ti.

Adriana – E porque és boa pessoa.

Alexis – Depende.

Adriana – Depende?

Alexis – Sim, depende. Ser boa pessoa, tem que recompensa?

Adriana – Bem… Acho que no mínimo merece ser recompensado com um daqueles beijos memoráveis. O que achas?

Alexis – Acho que sou boa pessoa – disse com um sorriso maroto a formar-se na sua face

Adriana – Sendo assim, visto que sou a única mulher aqui presente, acho que vou ser eu mesma a recompensar-te. Importas-te?

Alexis – Ah, se tem mesmo de ser… – disse com ar de desdém.                          

Adriana – Ui não quero sacrificar o menino… - disse fingindo-se ofendida.

Alexis (entre beijos) – Sabes bem que nunca trocaria um beijo teu por o de outra pessoa.

Adriana – Acho bem! Agora, faça o favor de colocar a sua mão sobre a minha barriga porque o seu filho está a mostrar-se um rematador nato!

Alexis “obedeceu” de imediato à “ordem” de Adriana.

Alexis – Uau, o menino está animado.

Adriana – Pois, o pior é quando se anima a meio da noite…

Alexis – Então é por isso que andas com essas olheiras enormes… - picou Alexis

Adriana – Até parece!

Os dois voltaram a beijar-se.

Adriana – Pronto, dá-me uns minutinhos para respirar, amor! Olha, eu vou lanchar com a Ana, ok?

Alexis – Ok, tudo bem. Thiago, toma conta delas! – ironizou Alexis

Adriana – Hum hum. Ah amanhã temos consulta!

Alexis – Eu sei, amor. Eu destas consultas nunca me esqueço.

Adriana – Ainda bem. Então, vou lanchar. Adeus! – disse dando-lhe um último beijo.

Saiu e encontrou Ana na esplanada onde tinham combinado. Estava a ser literalmente observada por os restantes clientes. Ana tinha sido capa de todas as revistas cor-de-rosa espanholas.

Adriana – Olá! – deu-lhe dois beijos

Ana – Olá…

Adriana – Então, que diz a revista? – disse apontando para a revista que Ana lia

Ana – Esta diz que eu sou empresária. A outra dizia que eu sou modelo e outra dizia que sou bailarina.

Adriana riu-se.

Ana – Di, isto não tem piada. Temos a esplanada toda de olhos sobre nós!

Adriana – Acredita com o tempo habituas-te!

Ana – Não me parece!

Adriana – A mim vêm pedir-me dicas de sedução para conquistarem jogadores de futebol, pedem-me para deixar o Alexis porque têm fraquinhos por ele… Prepara-te!

Ana – Ui que eu acho que não vou gostar disto…

Adriana – Ana, sabes bem que compensa.

Ana – É bom que compense.

Adriana – O Cesc?

Ana – Foi a Inglaterra, visitar os ex-colegas.

Adriana – Já lhe contaste?

Ana – Não, mas isto cada vez se torna mais difícil de esconder.

Adriana – Devias contar-lhe.

Ana – Tenho consulta daqui a duas horas. Vou e já fico a saber quanto tempo falta até às 10 semanas que nós acordamos.

Adriana – Ok, eu desisto de tentar antecipar isto! Vai lá à consulta e de preferência volta com a notícia de que estás de 11 semanas! – riu-se

As duas lancharam e depois Adriana voltou para casa, pois sentia-se cansada e Ana foi passear pela praça. Estava a ser um passeio agradável até quem menos queria ver aparecer. Era Carla, a ex-namorada de Cesc.

“Louca a caminho! Destruiu a casa ao Cesc e prometeu vingança em relação a mim. Boa, Ana. Este encontro vai ser mesmo fantástico…” pensava Ana segundos antes de ser abordada por Carla.

Carla – Olhem quem é ela… A esperançada do momento!

Ana – Desculpa?

Carla – O Cesc só te pediu em casamento por causa da emoção de ter marcado um golo, acho que já devias ter percebido isso, não?

Ana – O Cesc pediu-me em casamento porque me ama. Ele disse-me que já andava a pensar nisto há muito tempo.

Carla – Claro. De certeza que quando chegaram a casa, ele foi a correr buscar o anel de noivado que tinha comprado previamente quando pensou em pedir-te em casamento – disse de forma sarcástica

Ana não foi capaz de lhe responder. A verdade é que ela tinha a razão. Se tivesse sido algo planeado, neste momento Ana teria um anel de noivado no seu anelar esquerdo.

Carla – Onde é que o Cesc está? Não me digas que já fugiu da noiva… - continuou

Ana – O Cesc foi a Inglaterra visitar ex-colegas. Tens problemas com isso? – disse já irritada

Carla – Pois, Inglaterra…

Ana – Mas o que tem Inglaterra? – disse cada vez mais impaciente

Carla – Tu não sabes?

Ana – Não sei o quê? – perguntou já nos seus limites

Carla – O Cesc quando veio para Barcelona, veio mas veio com a intenção de regressar a curto-médio prazo a Inglaterra.

Ana foi completamente apanhada de surpresa pela afirmação de Carla.

Carla – Oh não sabias… Pois e o conto de fadas vai acabar, quando ele for e tu tiveres de ficar por causa da universidade, da medicina, da fotografia. Oh que pena… Sempre podes ir para Inglaterra, onde não conheces ninguém e seres a típica mulher a viver do salário do marido.

Ana – Eu não estou para te ouvir, Carla! Com licença!

Dito isto começou a andar apressadamente para casa. Sentou-se no sofá a pensar no que Carla tinha dito. Não queria acreditar. O seu telemóvel tocou. Ana pegou nele para ver quem era. Era Cesc. Decidiu rejeitar a chamada. Cesc continuou a insistir e Ana rejeitou mais 6 chamadas, para desespero de Cesc. Depois decidiu desligar o telemóvel. Com tantas dúvidas na cabeça, a última coisa que queria era falar com Cesc.



Terá Carla razão?

O que fará Ana? Confrontará Cesc ou fugirá dele?

Como vai interpretar Cesc as chamadas rejeitadas?

E que novidades trará a consulta de Alexis e Di?



Esperemos que tenham gostado ;) Deixem as vossas opiniões e palpites sobre o que poderá acontecer no próximo capítulo. Beijo, obrigada por lerem!



Assinala-se uma grande marca… 10 000 visualizações da página!  Ao fim de 195 dias de fic, chegamos as 10 000 visualizações e contamos c0m 22 seguidores  e 48 comentários. É sem dúvida uma altura indicada para agradecer a todos os que nos leem, a todos que comentam, a todos que n0s seguem. A todos o nosso MUITO, MUITO OBRIGADA! CONTAMOS COM VOCÊS ;)