Páginas

sábado, 30 de junho de 2012

Nova Fic

Olá!
Hoje aqui para divulgar a minha nova fic!
Chama-se Give Me Love e é baseada na fic De Sempre Para Sempre, pois acabei por desenvolver na minha cabeça duas possíveis histórias e como não queria abdicar de nenhuma, decidi continuar com a De Sempre Para Sempre, tal como com a Barcelona e a Quando Um Nada Se Transforma Em Tudo (isto é óbvio! Nunca abandonaria estes projetos!) e criar esta. Assim, as duas fics terão nos capítulos iniciais alguns pontos em comum, bem como as suas personagens, mas serão completamente distintas! Espero ter o vosso apoio e paciência para me lerem!



Quanto a capítulo nesta fic, espero que para breve. Já o tenho escrito e basta a aprovação da minha amiga e "colega" e já posto!

Beijo!

domingo, 24 de junho de 2012

Um Dia Tudo Muda

Olá!
Espero que estejam a ter um bom fim-de-semana! Passo por aqui para deixar o meu apoio à fic Um Dia Tudo Muda (http://umdiamudou.blogspot.pt/), que está no início e espera pelos vossos comentários ;)

Quanto ao próximo capítulo, vou tratar disso! Estava a escrever noutras fics, mas pelo que li nos vossos comentários, vocês querem saber quem é a Blanca e o que vai fazer... E portanto vou dar aos dedinhos para satisfazer a vossa curiosidade!

Beijo e até breve!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

101 - "Bom dia, campeão!"

Antes de tudo: muitas, muitas desculpas pela demora no capítulo! Esperemos que mesmo assim esteja do vosso agrado!


[Ana e Cesc]
2h
O choro de Thiago fez-se ouvir e despertou Ana, que se mexeu nos braços de Cesc. Ana levantou-se, quando já Cesc se aproximava do berço de Thiago.
- Vou fazer-lhe o leite – disse Ana – Fica um bocadinho com ele.
- Claro. – Sorriu-lhe, pegando em Thiago e falando com ele.
Poucos minutos depois, Ana voltou com o biberão.
Cesc sentou-se na cama com Thiago, enquanto Ana foi buscar uma fralda. Quando Cesc ia passar Thiago para o colo de Ana, esta impediu-o.
- Dás-lhe tu o leite – incentivou Ana.
- Eu!?!?!
- Não sejas medricas. Eu ajudo-te.
Ana colocou a fralda de pano junto a Thiago e passou o leite a Cesc, que, com as indicações de Ana, o deu a Thiago, sem quaisquer problemas.
Voltou a deitar Thiago no berço e foi-o acarinhando até ele adormecer. Depois voltou num salto para a cama, envolvendo Ana nos seus braços e beijando-lhe a testa. Acabaram por adormecer para depois voltarem a despertar às 5 e 8 da manhã para voltar a alimentar Thiago. Nesta última vez, Ana estava tão cansada que acabou por adormecer com Thiago nos braços, o que levou Cesc a pousá-lo entre eles, acabando os três por dormirem tranquilamente.

[Adriana e Alexis]
Eram quase 6 da manhã quando Alexis acordava Adriana com alguns beijos.
- Para quietinho, Alexis – resmungou Adriana, virando-se para o outro lado.
- Amor, acorda – disse Alexis, beijando-lhe o pescoço.
- Alexis, é muito cedo. Estou cheia de sono! O sol ainda nem nasceu. Amor, podemos fazer isso depois.
- Não podemos não!
- Alexis, amor, eu compenso-te. Agora não me apetece…
- Não é nada disso.
- Não? – perguntou surpreendida.
- Não. Anda. – pegou-lhe na mão, envolvendo o seu corpo no lençol e seguindo até à varanda com ela.
- Estamos aqui a fazer o quê? – perguntou Adriana aborrecida.
- Viemos ver o nascer do sol. O meu avô dizia-me que todos os anos devíamos fazê-lo pelo menos uma vez com alguém especial. E este ano é contigo.
Adriana sorriu-lhe e antes que pudesse responder-lhe, Alexis apontou ao horizonte. Os primeiros raios de sol começavam a surgir e em minutos o sol já invadia a Catalunha.
- Isto é lindo, Alexis. Obrigada – sorriu-lhe, ao que Alexis respondeu com um beijo na nuca.
- Gostaste?
- É lindo. Com uma pessoa especial?
- Com a mais especial – sorriu-lhe – Agora vamos voltar para a caminha!
Pegou nela ao colo e voltaram para a cama, onde Adriana rapidamente adormeceu nos braços de Alexis.


10h
Alexis acordou e Adriana já não estava ao seu lado. Pegou no telefone e mandou vir o pequeno-almoço. Depois entrou silenciosamente na casa de banho e surpreendeu Adriana no duche.
- Alexis! Que susto!
- Desculpa, amor. Bom dia!
- Bom dia! – voltou-se para ele e beijou-o.
- Bem viva ou precisas de reanimação?
- Para mim, basta animação… - provocou.
- Ela está tão saídinha da casca! Há 4 horas atrás não estavas tão virada para animações…
- E pelos vistos éramos dois…
- Sim, achas que eu te acordava às 6 da manhã para isso?!
- Então quer dizer que nunca te devo acordar a meio da noite para isso? – perguntou Adriana, claramente com segundas intenções.
- Não! Podes acordar-me sempre, sempre, sempre!
- Tarado!
- Mas tu gostas…
- Convencido, Alexis Alejandro!
- Mas este convencido quer dar-te os bons dias como deve ser…
- Isso sim é falar!
- Acho que já estamos a falar demais… - beijou Adriana nos lábios, no pescoço, no peito… Enfim! Amaram-se como um só, como só eles sabiam ser. Depois a muito custo lá conseguiram sair e ir até ao quarto.
- Não pediste café? – perguntou Adriana – Ah se pedisses íamos bebê-lo frio…
- Nem mais!
Sentaram-se na cama a comer.
- Vou ligar à Ana – disse Adriana.
- Sim, também quero saber como está o Thiago.
- Ah! Ontem relembraste-me que só tínhamos duas chamadas mas hoje já estás todo ansiosinho, papá babado!
- Confesso! – riu-se, pegando já no telemóvel.
Após dois toques, a voz sonolenta de Cesc fez-se ouvir.
- Sim?
- Cesc?
- Espera – Cesc retirou-se do quarto e foi até à sala – Diz.
- Bom dia. Desculpa se te acordei.
- Na boa. Precisam de alguma coisa?
- Como está o Thiago?
- Está bem. Não se preocupem. Ele está agora a dormir com a Ana. Deve acordar em breve.
- Passaram bem a noite?
- Sim, apenas acordamos para lhe dar de comer. Ele está muito calminho. Aproveitem a sério.
- Obrigado! Vemo-nos ao fim da tarde, não é?
- Exatamente! Aproveitem! Até logo!
Alexis desligou.
- Está tudo bem. Ele estava a dormir e tem estado calmo.
- Ainda bem. Mas já tenho saudades dele…
- Eu também. Mas vamos mesmo assim aproveitar estes momentos para nós…
- Sim – beijou-o e puxou o programa que lhe tinham entregue – Bem, acho que ginásio dispensamos.
- Sim, sem dúvida. Ginásio vou ter eu muito em breve!
- Vais para estágio, não é?
- Sim – passou-lhe a mão pela face desanimada – Vai passar rápido, vais ver!
- Sim, mas agora vai ser diferente. Sinto mais a tua falta agora que o Thiago nasceu.
- Eu sei. Eu percebo-te. Mas vamos viver um momento de cada vez – deu-lhe um beijo na testa – Havemos de resolver isto.
- Sim, mas pensando noutras coisas… E que tal um spa antes do almoço? Assim tínhamos a tarde só para nós…a disfrutar mais desta suite…
- Hum, parece-me ótimo!
Vestiram-se e foram até ao spa, onde podiam jurar que tinham recuperado energias para todo o ano que se avizinhava.
- Amor, vamos almoçar? – perguntou Alexis depois de saírem do spa – estou esfomeado!
- Já somos dois! Almoçamos lá fora?
- Sim. Está um dia lindo!
- Que achas de irmos até à praia? – propôs Alexis.
- Acho ótimo. Adoro praia, sabes disso. Mas este ano, como o Thiago ainda é muito pequeno, não há muitas possibilidades de irmos, portanto vamos aproveitar hoje.
Após acabarem de almoçar, seguiram até à suite, onde trocaram de roupa para depois irem até à praia. A sua presença não passava de todo despercebida. A maioria apenas comentava e olhava. Contudo havia pessoas mais…expressivas!
- Adriana Sánchez?! – perguntou uma mulher com os seus 30 anos – Nem dá para acreditar que foste mãe! Estás fantástica!
- Obrigada – sorriu-lhe.
- Eu também já fui mãe e sei como custa voltar à forma! Como conseguiste?
- Não engordei muito na gravidez. Para além disso, a minha genética ajuda-me a manter a forma. Para não falar na amamentação. Ajuda imenso!
- Amamentaste?
- Sim, enquanto pude. Mas o meu leite secou passado pouco mais de um mês…
- Dou-te os meus parabéns! Há muitas mulheres estúpidas ao ponto de não quererem amamentar para não ficarem com nada descaído…
- Sim, mas não é de todo o meu caso…
- As revistas falaram que tinha sido um parto complicado.
- Sim, mas nada que não valesse a pena.
- Os detalhes chocam qualquer mulher que já tenha dado à luz. Só fazer um parto natural sem epidural já é tão doloroso. Eu ia com a intenção de não tomar epidural. Sabes, “eu aguento, eu aguento”. Aos 8 cm de dilatação, berrei por epidural. Mais um bocadinho e não a podia tomar. És uma verdadeira mãe-coragem!
- Obrigada!
- Espero que esteja tudo bem com o Thiago. É mesmo Thiago ou é invenção das revistas?
- É mesmo Thiago – riu.
- Uma foto?
- Claro!
Alexis dispôs-se a tirar a foto que a mulher agradeceu.
- Estavas muito caladinho… O parto ainda mexe contigo?
- Um bocadinho… - admitiu Alexis, tentando retirar todas aquelas memórias da cabeça.
- Está tudo bem, amor – dizia Adriana, enquanto a sua testa estava encostada à de Alexis e ele lhe acariciava a face – Somos felizes!
- Muito!
Beijou-a. Acabaram por deitar-se a apanhar sol e a recuperarem algumas horas de sono…

[Ana e Cesc]
Após o telefonema de Alexis, Cesc voltou ao quarto, mas Ana já tinha acordado.
- Acordei-te? – perguntou Cesc.
- Sim, mas não faz mal. Também já é tarde…
Cesc deitou-se na cama e beijou-a.
- Bom dia – disse-lhe Cesc
- Bom dia, amor – tornou a beijá-la – Cuidado, temos o Thiago entre nós. O que é que ele está a fazer aqui?
- Adormeceste com ele no colo enquanto lhe estavas a dar o leite.
- Adormeci?
- Sim. E achei melhor deixá-lo aqui connosco. Ele estava um bocado irrequieto.
- Fizeste bem – deu-lhe um beijo.
- Isso quer dizer que passei no estágio de pai? – brincou.
- Sim, sim… Enquanto não lhe trocares a fralda bem podes esquecer!
- Fralda? Mas porquê? É apenas um pormenor… - desviou a conversa.
- Um pormenor que vocês homens têm muita tendência em não querer fazer!
- Vamos tomar o pequeno-almoço? – disse, pegando em Thiago e pousando-o no berço.
- Sim, desvia a conversa… - riu-se.
Cesc pegou em Ana ao colo.
- Cesc! – assustou-se.
- Shiu! – disse, focando Thiago com o olhar.
- Sim, shiu – sussurrou, rindo-se.
Cesc levou Ana até à sala, onde acabaram por cair no sofá.
- Ana, temos de falar sobre a gr…
- Sobre a tua irmã – interrompeu Ana.
- O que é que tem a minha irmã? Tirando a parte de não ter a noção de que as brincadeiras delas são muito parvas.
- Tem um grande problema.
- Um grande problema? – perguntou preocupado.
- Sim, tu! Tu aterrorizas o Marcelo!
- Aterrorizo nada! Que exagero!
- Tu ouviste bem o que ele disse ontem.
- Sim. “Namorar contigo, casar-me contigo, ter filhos contigo” – imitou com uma voz mais fininha e com a intenção de roçar o sotaque brasileiro.
- Não, foi mais aquela parte do “não dar motivos de queixa ao teu irmão” – imitou o sotaque de Marcelo.
- Tens um melhor sotaque brasileiro que eu!
Ana riu-se.
- Não desvies a conversa! Também gostavas que o Alexandre tivesse agido como tu?
Cesc suspirou.
- Não, não gostava… - admitiu.
- Então, porque és assim com ele?! – reclamou Ana.
- É a minha irmã! Eu amo-a. Não quero que a magoem…
- Oh Cesc – abraçou-o – a tua irmã é crescidinha.
- Mas mesmo assim…
- Se ela bater com a cabeça, é porque assim tinha de ser. Deixa-a viver. Senão vais acabar por afastá-la.
Respirou fundo.
- Tens razão. Para não variar.
Ana sorriu-lhe e beijou-o.
- Vou ligar à tua irmã para jantarem connosco.
- Tem mesmo de ser?
- Deixa de ser parvo!
Ana pegou no telemóvel. Após três toques, Carlota atendeu.
- Sim?
- Carlota?
- Sim, Ana. Bom dia. Precisas de alguma coisa? Para quieto, Marcelo.
Ana levantou-se afastando-se de Cesc. Obviamente que Carlota estava com Marcelo e deveriam ter passado um serão que seria melhor Cesc nem sequer pensar em imaginar!
- Carlota, podes falar?
Cesc olhou-a com desconfiança.
- Sim, sim, claro. Dá-me um minutinho para sair da cama.
- Eu já percebi…
Ana ouviu a voz de Marcelo, pedindo a Carlota que não fosse e depois ouviu uma porta a bater.
- Diz, Ana. Desculpa a…agitação. – riu-se.
- Queria convidar-vos para jantarem connosco hoje.
- Não me parece boa ideia… O meu irmão vai ser outra vez desagradável com o Marcelo…
- Não te preocupes. Da fera trato eu! – olhou para Cesc que a fixou – Nem que sejam precisas medidas radicais, do género greve de…
- Não! Não vai ser preciso! – respondeu Cesc prontamente.
Do outro lado, Carlota riu-se.
- Até logo? – perguntou Ana.
- Até logo! – respondeu Carlota – Podes contar connosco.
- Ainda bem. Até porque tenho uma novidade a dar-te.
- Uma novidade?
- Sim. Até logo, Carlota!
- Mas…
- Até logo!
Ana desligou.
- Vais contar-lhe? – perguntou Cesc.
- Primeiro, não querias falar?
- Sim. Tenho dúvidas. Primeiro de tudo é a minha vontade de te beijar, abraçar… Sei lá! Estou mesmo feliz. Há dois dias atrás pensava que estavas com uma hepatite e afinal estás grávida! O meu maior sonho!
- Eu também estou muito feliz, Cesc.
- Já foste ao médico?
- Não. Apenas fiz um teste de farmácia e um de sangue para ter a certeza de que estava grávida.
- E não era melhor ires ao médico?
- Estava à tua espera. – Cesc abriu um grande sorriso e beijou-lhe a testa – Desta vez não vai haver segredos. Eu vou ligar à Marta por causa da consulta.
Tornou a pegar no telemóvel e ligou a Marta, a médica e amiga que tinha recorrido quando fizeram testes para saber se podiam ser pais.
- Marta?
- Buenos dias, Ana!
- Buenos dias, Marta. Não tens aí um furinho na tua agenda de amanhã?
- Para ti, posso arranjar. Mas passa-se alguma coisa?
- Bem, acho que precisamos de uma ecografia, a primeira.
- Ah! – gritou, fazendo Ana afastar o telemóvel – Não acredito! Parabéns!!!
- Obrigada, Marta – riu-se.
- Olha sabes que a minha especialidade não é obstetrícia. Mas vou recomendar-te uma amiga minha que é obstetra e pediatra neo-natal. Ela é fantástica! Vais adorá-la! Mas a primeira ecografia é minha!
- Toda tua!
- De quanto tempo estás?
- Pelas minhas contas devo estar de quase dois meses.
- Ai amanhã às 11h?
- Sim. A essas horas estamos aí. Beijo.
- Beijo.
Ana desligou.
- Então? – perguntou Cesc ansioso.
- Temos consulta amanhã às 11h.
- Disseste dois meses?!
- Sim. Disse, porquê?
- Tanto.
- Bem, a 19 de junho percebi que estava com um atraso de duas semanas. E visto que a ovulação se dá duas semanas antes. Já estaria grávida de quase um mês. Foi o que o teste digital revelou – 2 a
3 semanas. Isto tem a ver com as formas como se contam as semanas de gravidez. Dá 36, 38 ou 40 semanas.
Cesc olhava-a com um ar desentendido.
- Mas nós vamos contar até às 40.
- Isso dá 10 meses e não 9.
- Porque medicamente falando conta-se desde a última menstruação, o que dá um mês a mais.
- Então vamos contar até às 40 semanas?
- Exatamente.
- E o que é que já se poderá ver nesta ecografia?
- É provável que me perguntes onde é que ele está – riu-se – É muito pequeno. Neste momento, cabe dentro de uma noz.
- Uma noz?!
- Nem mais. E porque é que tens enjoos? – Cesc estava de facto curioso, o que fez Ana rir.
- No primeiro trimestre da gravidez, a placenta está a segregar uma grande quantidade de hormonas. É esta mudança brusca que origina os enjoos matinais. Mas quando formos à primeira consulta na obstetra já vais perceber melhor.
- Eu amo-te – beijou-a.
- Eu também te amo – tornou a beijá-lo. Beijo que foi interrompido pelo choro de Thiago.
- Eu vou lá – disseram em conjunto.
- Vai buscar o Thiago, enquanto eu faço o nosso pequeno-almoço – sugeriu Ana.
Cesc beijou-a e foi buscar Thiago.
- Bom dia, campeão! – dizia Cesc para Thiago, enquanto o levava para a cozinha, onde Ana já se encontrava.
- Vocês e o “campeão” – refilou Ana.
- Queres que lhe chames o quê? Meu príncipe como a Di?
- Não gozes. Se for uma menina, vais chamar-lhe o quê?
- Campeã!
- Ai, anda cá, Thiago! Isto é tudo de doidos! – dizia, pegando em Thiago, que estava divertido.
- Achas que vai ser uma menina? – perguntou Cesc.
- Lá para o Natal já devemos saber isso! – deu-lhe um beijo.
- Olha, vais contar à minha irmã?
- Importas-te que conte? – perguntou Ana.
- Claro que não. Acho que ela vai ficar radiante. Ainda por cima por ser das primeiras a saber!
- Vou só contar ao Alexis primeiro e depois conto-lhe a ela.
- E o resto da família? Aos três meses?
- Sim, aos três meses. Não te importas?
- Claro que não. Tu tens razão em quereres esperar. – deu-lhe um beijo na testa.
Tomaram o pequeno-almoço e foram-se entretendo com Thiago durante o resto do dia.

[Adriana e Alexis]
Farto de estar a apanhar sol, Alexis começou a acariciar Di para que acordasse.
- Estou acordada, Alexis – avisou Di.
- Vamos dar um mergulho.
- Agora?
- Não, amanhã de manhã, Di. Claro que é agora! Anda lá!
- Só mais uns minutinhos.
- Anda lá, Di!
- Um minuto…
Alexis lançou-se para cima de Adriana, fazendo-lhe cócegas, o que a fez gargalhar e implorar para que parasse.
- Para, Alexis, para! – dizia entre os risos.
- Preguiçosa a minha menina! – disse, já parando.
- Muito!
- Vamos?
- Vamos.
Adriana ia-se a levantar, mas Alexis agarrou-a e levou-a ao colo até ao mar.
Depois voltaram para a toalha e passado algum tempo foram dar uns toques na bola.
Alexis perdia-se com a bola nos pés, o que maravilhava Adriana, que fazia questão de o picar.
- Exibicionista! – brincou. Alexis passou-lhe a bola e Adriana rematou de primeira, o que fez com que Alexis tivesse de recuar para apanhar a bola, embatendo numa pessoa.
- Desculpe! – disse, mesmo antes de se voltar para a pessoa.
- Alexis?
- Blanca?!

Quem será Blanca? Afetará negativa ou positivamente a história?
E como reagirá Carlota à notícia da gravidez de Ana?

Olá! Espero que tenham gostado do capítulo e voltamos a pedir-vos desculpa pela demora! As férias às vezes complicam! Deixem os vossos comentários e continuem a responder à questão: Qual o teu momento/capítulo favorito na fic? Respondam comentando ou em https://www.facebook.com/WeLoveBarcelonaLaCiudadDelAmor
Desde já um agradecimento muito especial a Dália Sá e Mary pelos seus comentários ao post anterior. É mesmo muito bom poder lê-los.


Este capítulo é dedicado a Dália Sá, minha grande amiga e que sempre me apoiou nesta fic. Obrigada Dália, este foi dedicado a ti como prometido ;)
Até breve!

Ah boa sorte a todos os que têm exames!

Quase...

Olá!
O capítulo está terminado e basta um pequeno pormenor para que seja publicado.
Aproveito para divulgar aqui a fic de Dulce Vieira, One Love, One Player (http://one-love-one-player.blogspot.pt/).


E agora o mais importante: chegamos às 20 000 visualizações! Muito obrigada!
Agora gostaríamos que respondessem a uma questão:

Qual foi o vosso momento/capítulo favorito desta fic?
Respondam comentando, ou na página We Love Barcelona, La Ciudad Del Amor (https://www.facebook.com/WeLoveBarcelonaLaCiudadDelAmor)

Contamos com as vossas opiniões para podermos postar ainda hoje!

Beijo e até muito breve!

domingo, 17 de junho de 2012

Life Goes On

Nova fic de Rita Martins!!!

Olá :) Ainda não é capítulo mas é importante! ;)

Olá!
Primeiro, um pedido de desculpas por estarmos a tardar com o capítulo. Mas estive a escrever a minha parte das outras fics e portanto vou começar hoje a escrever o 101.
Agora o que me traz por cá é a divulgação da fic Love Can Change, que está agora a começar e que desde já recomendamos. Fica aqui o link http://lovemakeuschange.blogspot.pt/

sábado, 16 de junho de 2012

Agradecimento :)

Olá!
Hoje um agradecimento muito especial a Catarina Coutinho pela criação da página We Love Barcelona, Ciudad Del Amor (https://www.facebook.com/WeLoveBarcelonaLaCiudadDelAmor?skip_nax_wizard=true)!
É uma prova de grande carinho pela fic e isso deixa-nos muito felizes!
Muito obrigada!

terça-feira, 12 de junho de 2012

Olá :)

Olá!
Hoje vimos divulgar uma fic de uma leitora, Diana Martins.
Aqui fica o link http://adistancianaoimpedequeeuteame.blogspot.pt/
Deem uma vista de olhos ;)

E vocês já sabem: qualquer coisa podem contactar-nos pelo e-mail fics-love@hotmail.com

Esperemos por comentários a este capítulo 100 porque já trabalhamos no 101!

Beijo
Até breve!

domingo, 10 de junho de 2012

100 - "És demais para mim… "


Olá!
O prometido é devido e aqui está o vosso capítulo!
Agora que temos mais tempo disponível, tentaremos postar com mais regularidade!
Quanto a este capítulo, esperemos que gostem, até porque ele é dedicado a algumas pessoas…

Alexis conduziu até ao El Palace calmamente. O sol ainda estava a pôr-se, o que deixava Barcelona uma cidade ainda mais romântica. Era bom ter Adriana só para si, nem que fosse apenas por 24 horas. Rapidamente chegaram ao seu destino.
Entraram na imponente sala de entrada e fizeram o check-in. 

Rececionista – Sejam bem-vindos ao El Palace Hotel Barcelona.
Adriana – Muito obrigada. Nós temos uma reserva em nome de… Não sei em que nome ela fez a reserva – falou para Alexis.
Alexis – Tem alguma coisa em Alexis Sánchez?
Rececionista – Adriana e Alexis Sánchez?
Alexis – Sim, creio que sim – disse com o seu sorriso característico.
Rececionista – Ana Soler indicou-nos que estariam hospedados por 24 horas e encarregou-se de escolher um programa. É este aqui – entregou-lhes um programa detalhado que Ana tinha escolhido para eles – Espero que tenham umas excelentes 24 horas. Aqui está a chave da vossa suite.
Adriana – Muito obrigada.
Alexis pegou na pequena mala que tinham trazido e juntamente com Adriana dirigiu-se para a suite. E que suite!

Alexis – Uau…
Adriana – Estou sem palavras.
Alexis pousou a mala à entrada, pegou na mão de Adriana e começou a percorrer a suite.
Adriana – Bem, chegamos ao paraíso. Já reparaste em cada detalhe? Só o trabalhão que deve ter dado deixar esta cama impecavelmente feita…
Alexis aproximou-se de Adriana por trás dela e envolveu-lhe a cintura com os braços. Levou os seus lábios ao ombro de Adriana e começou a percorrê-lo com beijos. Adriana arrepiou-se por completo.
Alexis – Sabes quando olho para esta cama – sussurrava-lhe ao ouvido – dá-me uma vontade tremenda de desfazê-la…
Alexis voltou Adriana para si e beijou-a intensamente, ao que Adriana não resistiu e respondeu, deixando-se levar. Não demorou muito até sentir as mãos de Alexis a percorrer-lhe as pernas e a saborear cada recanto da sua pele com os lábios que já vagueavam entre o seu pescoço e o seu peito. Há meses que Adriana já não sentia Alexis tão perto de si. Quando a gravidez de Adriana foi considerada de risco, tiveram de abrandar e desde que Thiago nascera ainda não tinham retomado a sua vida íntima, pois Adriana tinha estado a recuperar do parto. Ainda assim Adriana conseguiu colocar as suas mãos sobre o peito de Alexis e afastá-lo.
Alexis – Então, amor? Tenho saudades tuas…
Adriana – Eu também tenho saudades tuas. E prometo que hoje as matamos todas. Mas antes, vamos aproveitar tudo isto.
Alexis fez beicinho, que Adriana desfez com um beijo. Pegou-lhe na mão e continuou a percorrer a suite.
Alexis – Bem, já nem sei se quero desfazer a cama ou dar uso à banheira…
Adriana riu-se e continuaram a percorrer a suite.
Adriana – Isto é lindo…
Alexis – Eles esmeraram-se. Afinal o que temos no programa?
Adriana começou a percorrer rapidamente o programa com o olhar.
Adriana – Ui temos jantar, ginásio, spa, baile…
Alexis – Baile? – riu-se – Sim, sim… É mesmo essa a minha vocação! E se fôssemos jantar? Estou com uma fome…
Adriana – Já somos dois. Vamos lá.
Os dois seguiram para a sala de jantar, novamente digna de realeza.

Jantaram entre muita conversa e alguma música ambiente. Juntos perdiam a noção do tempo.
Adriana – Alexis, vamos até à sala de baile…
Alexis – Amor…
Adriana – Vá lá. Sabes que fico curiosa muito facilmente…
Alexis – Tudo bem – consentiu .
Adriana – Mas antes vou ligar à Ana.
Alexis – Não te esqueças que ela disse um máximo de dois telefonemas nestas 24 horas…
Adriana – Eu sei mas preciso de saber como está o Thiago.
Os dois foram até à sala de convívio do hotel e sentaram-se nos sofás.
Adriana marcou o número de Ana, que após alguns segundos atendeu.
Ana – Sim, está tudo bem. Ele comeu, dormiu, agora está a entreter o Cesc. E sim, dei-lhe banho e tenho-lhe mudado a fralda – disparou – Respondi a todas as questões que ias fazer? – gozou.
Adriana – Piadinha… E não, não respondeste.
Ana – Não, ele não está a estranhar a vossa ausência. Está a mesma paz de alma de sempre.
Adriana – Ainda bem. Obrigada. Aos dois!
Ana – Aproveitem mas é!
Adriana – Claro que aproveitamos! Beijo.
Ana – Beijo.
Adriana desligou.
Alexis – Está tudo bem?
Adriana – Sim, está – sorriu-lhe.
Alexis – E agora podíamos ir até…
Adriana – Ao salão! – interrompeu.
Alexis – Mesmo? Devem ser só velhos lá a dançar música clássica. Di, amor, vamos lá para o quarto.
Adriana – Alexis Alejandro, deixa de ser chatinho e anda lá!
Alexis lá seguiu Adriana, ainda que arrastado e ficou estupefacto com que viu.
Alexis – Já vi funerais com mais gente… Pelo menos, está lá sempre o morto.
Adriana – Isto está completamente vazio. Nem uma alminha por aqui!
Uma voz interrompeu-os.
Empregado – Desculpe, não pude deixar de escutar a vossa conversa. O baile foi cancelado. A gerência pede imensas desculpas.
Adriana – Obrigada pelo esclarecimento.
Empregado – Não tem de quê. Estamos sempre ao seu dispor.
O empregado retirou-se. Adriana olhou um pouco para dentro do enorme salão e virou costas. Contudo, Alexis agarrou-lhe o braço, impedindo-a que fosse embora.
Alexis – Não importo se isto está vazia. Estás aqui tu, estou aqui eu. Isso basta.
Alexis não deixou que Adriana expressasse as dúvidas que aquelas frases tinham despoletado nela. Deu-lhe um leve beijo nos lábios e puxou-a para dentro.
Foi até ao sistema de som que estava num canto da sala e pôs uma música tocar. Era calma, leve… Alexis agarrou Adriana e encostou-a a si. Ela escondeu a sua cara no peito de Alexis. Ele sentia Adriana a tremer nos seus braços, enquanto que se movimentavam em sintonia em pequenos passos.
Alexis – Não chores. Eu amo-te, só isso. Só quero tornar o nosso mundo o mais perfeito possível.
Adriana agarrou-se ainda mais Alexis, como que o prendendo para sempre, ou talvez apenas para não deixar o seu mundo fugir. Não conseguia controlar a emoção e, por isso, as lágrimas teimavam em fugir dos seus olhos. Tinha a vida que jamais conseguia ter idealizado. Era feliz, era completa. Perderam a noção do tempo, não imaginando sequer que já não se coordenavam pela música, que por vezes nem existia, apenas se coordenavam pelo sentimento que os unia. Várias vezes, Alexis beijava Adriana. Na testa, na face, nos lábios… Aquele era o conto de fadas nunca antes imaginado. Acabaram por sair do enorme salão, ainda completamente alheios ao mundo. Divagavam pelo hotel até que Alexis arrastou Adriana até ao carro, sem nunca lhe mencionar o seu destino. Em 10 minutos, estavam numa praia, deserta, quente, única. Foram caminhando descalços pela areia até a uma parte oculta da praia. A noite estava linda. Era noite de lua cheia em Barcelona. A lua estava enorme e ofuscava o brilho das estrelas que refletiam a sua pequena luz.
Adriana – Eu amo-te tanto, Alexis. Não te mereço…
Alexis – Shiu! – colocou-lhe o indicador sobre os lábios – Não digas asneiras. Não imaginas como fazes de mim o homem mais feliz deste mundo.
Adriana retirou o indicador de Alexis dos seus lábios e beijou-o. Um beijo que se foi intensificando e perdendo os limites. Alexis agarrava o rosto de Adriana entre as suas mãos como que segurando o maior tesouro do mundo. Ela, por sua vez, tinha as suas mãos apoiadas no seu peito, no seu ponto de abrigo, na sua proteção eterna. Uma das mãos de Alexis deslizou até à cintura de Adriana, enquanto que a outra percorreu os seus cabelos negros. Os lábios de Adriana escorregaram pela pele de Alexis, provocando uma explosão de emoções nele, que a agarrou ainda mais, como se a quisesse roubar ao mundo e fazê-la apenas sua. Levou as suas mãos ao trabalhado corpete de Adriana, abriu-lhe o fecho e retirou-o, deixando-o cair no chão. Adriana levou as mãos ao interior da t-shirt de Alexis e começou a retirá-la, algo que Alexis facilitou. Agora que os seus corpos se tocavam, a ânsia e as ganas de se entregarem um ao outro eram infinitas. Adriana fez as suas mãos vaguearem por todo o tronco de Alexis, para depois lhe retirar as calças. Alexis, por sua vez, levou as mãos ao fecho da saia de Adriana e fê-la desaparecer. 
Aí vislumbrou o que Adriana tinha insinuado ao saírem de casa com aquele “E ainda tu não viste o que se esconde por baixo da roupa…”. Alexis respirou fundo como se recuperando todo o ar, que Adriana lhe retirara.
Alexis – És demais para mim…
Adriana – Sem ti não estou completa – disse tão ofegante como Alexis, que lhe percorreu cada curva do seu corpo, cada milímetro da sua pele. Adriana estava novamente deslumbrante, recuperada da gravidez. Adriana saltou para o colo de Alexis e entrelaçou as pernas à sua cintura. Alexis rodopiou com ela.
Alexis – Eu amo-te!!!
Adriana – Faz-me tua… - pediu-lhe, sussurrando-lhe ao ouvido.
Alexis tornou a beijar Adriana com urgência e rapidamente as últimas peças de roupa que ainda tinham desapareceram. Alexis pegou Adriana ao colo e entrou mar a dentro. Não havia água que os arrefecesse. Rapidamente ultrapassaram quaisquer limites que ainda podiam existir e tornaram-se num único. Não se possuíam um ao outro, apenas se entregavam para se completarem. Ainda ficaram alguns minutos na água, abraçados, olhando o céu lindo que aquela noite lhes estava a proporcionar. Depois saíram, secaram-se como puderam e vestiram-se, regressando ao hotel. Entraram na suite entre beijos intensos e rapidamente estrearam a banheira como tanto desejara Alexis. Depois adormeceram calmamente nos braços um do outro naquela enorme cama.

Enquanto isto, Ana, após Adriana ter-lhe ligado, finalizou o jantar e após convencer Cesc a pousar Thiago no berço, seguiram os dois para a mesa.
Ana – Para quem dizia que era “pequeno e frágil” estás muito viciado no Thiago…
Cesc – Ele é adorável. Não me consigo controlar!
Ana riu-se. Acabaram de jantar e antes de se sentarem um pouco na sala, Ana foi espreitar Thiago ao seu quarto. Ele tinha acabado por adormecer. Cesc já a esperava no sofá. Ana deixou-se cair sobre ele, fechando os olhos e respirando fundo.
Cesc – Estás bem?
Ana – Só um pouco mal disposta. O normal. Isto passa.
Cesc – Tens a certeza que é normal? – perguntou preocupado.
Ana levantou a cabeça do seu peito para que pudesse olhá-lo.
Ana – Sim, Cesc. São tudo coisas normais de uma gravidez. Eu juro que estou a ser sincera.
Cesc – Desculpa a preocupação toda mas eu amo-te muito. Amo-vos.
Ana beijou-o.
Ana – Eu prometo que me vou portar bem e que não te vou mentir. Não como da última vez.
Cesc – É passado. Esquece isso. É tão bom o nosso presente.
Ana voltou a baixar a cabeça e a pousá-la no peito de Cesc.
Ana – Posso pedir-te uma coisa? – disse sem o olhar.
Cesc – Claro, amor.
Ana – Eu queria que…bem, gostava de te pedir…
Cesc – Ana…
Ana respirou fundo e levantou-se, sentando-se ao pé de Cesc.
Ana – Queria guardar segredo da gravidez.
Cesc – Como assim?
Ana – Eu prefiro que a nossa família e os nossos amigos apenas saibam quando a gravidez for mais estável, mais segura, percebes?
Cesc – Estás a querer fazer com eles o que fizeste comigo quando acabaste por ter o abor… Desculpa, desculpa. Sou tão estúpido no que digo.
Ana – Não tem importância – disse, baixando a cabeça, para esconder as lágrimas.
Cesc – Tem sim – pôs o indicador sob o queixo de Ana e levantou-lhe a cabeça – Tu tens razão. É melhor teres paz e sossego e apenas lhe contarmos quando tivermos certezas.
Ana – Tens a certeza?
Cesc – Sim, Ana. Não vale a pena sujeitar-te a tanto alarido.
Ana – Obrigada. Não te importas mesmo?
Cesc – Claro que não. A Di sabe, não é?
Ana – Sim, ela estava comigo quando descobri.
Cesc – Compreendo. Mas então devíamos contar também ao Alexis. Ele e a Di foram as pessoas mais importantes deste último ano.
Ana – Tens razão. O Alexis saberá. E quanto à imprensa…
Cesc – Esconder enquanto que for possível. Tu precisas é de sossego. Não das revistas todas em cima da tua gravidez.
Ana – Obrigada por toda a compreensão.
Ana sorriu-lhe, mostrando-lhe agradecimento no seu sorriso, para depois o beijar e se aconchegar a ele. Já tinha dormido um pouco quando o telemóvel de Cesc tocou e a fez despertar.
Cesc – Desculpa.
Ana – Não faz mal. Assim aproveito e vou ver o Thiago.
Enquanto que Cesc atendeu, Ana foi ver Thiago que dormia tranquilamente. Ana deu-lhe um beijo, aconchegou-o e voltou à sala, onde Cesc acabava de desligar.
Cesc – Era a minha irmã. Estava em nossa casa e como ninguém lhe abria a porta, ligou-me. Disse-lhe para vir até aqui.
Ana – Fizeste bem.
Cesc – O Thiago?
Ana – Estava a dormir.
Ouviram a campainha tocar.
Ana – Eu vou lá.
Ana foi até à porta e abriu-a.
Ana – Entrem.
Carlota – Olá, Ana.
Ana – Olá aos dois.
Ana levou-os até à sala.
Cesc – Pois, tu…
Carlota – Olá, maninho – deu-lhe um beijo no rosto.
Marcelo – Olá.
Cesc – Pois, olá.
Ana – Cesc…
Cesc – Que queres? Agora também andam sempre agarrados!
Ana – Não é tua filha, é tua irmã.
Cesc – Mais nova.
Ana suspirou, revirando os olhos.
Ana – Parvoíces. Deve ser do instinto paternal!
Carlota – Instinto paternal?!!!
Ana – Ah…pois… - atrapalhou-se – O Thiago. Tomar conta do Thiago deixou-o assim todo protecionista.
Carlota – Não… Desconfio mais que foi uma pancada que sofreu à nascença.
Cesc – Ah ah ah. Mas afinal o que vos traz por cá?
Carlota – Obrigada pela tua alegria ao receber-nos…
Ana – Eles vão casar-se.
Cesc – Vão o quê?!!!
Ana e Carlota desataram a rir, enquanto que Cesc mostrava a sua desaprovação com a brincadeira e Marcelo tentava esconder a vergonha.
Carlota – Não, não vamos casar. Eu só estou grávida.
Cesc e Marcelo – O quê?!?!?!?!?!
Cesc – Como?!
Carlota – Como é que achas, maninho? Achei que já tinhas passado a fase da cegonha e da sementinha do papá na mamã… Mais um bocado e querias que me casasse virgem!
Cesc – Não te fazia mal nenhum.
Marcelo estava alheio a tudo e quando Carlota se apercebeu admitiu a sua brincadeira.
Carlota – Não estou nada grávida. Gosto só de brincar…
Marcelo – Com coisas sérias. – respondeu num tom de reprovação.
Ana – Cesc, vem ajudar-me com o Thiago, se faz favor.
Cesc – Eu fico aqui.
Ana – Já – ordenou Ana.
Cesc bufou mas seguiu-a. Carlota aproveitou e tentou desculpar-se, enquanto que Cesc não resistia e escutava ao corredor.
Carlota – Desculpa. Não pensei que te incomodasse tanto. Sabes que sou assim… Brincalhona. Demasiado.
Marcelo – Carlota, o teu irmão já não gosta de mim, se o picas ainda mais… Ainda por cima, um filho não é motivo de brincadeira.
Carlota – Não queres ter filhos?
Marcelo – Claro que quero! Mas primeiro quero namorar contigo, casar-me contigo e só depois ter filhos contigo.
Carlota – Gostei da forma como destacaste o “contigo”.
Marcelo sorriu-lhe.
Marcelo – Vamos tentar não dar muitos motivos de queixa ao teu irmão, pode ser?
Carlota – Medo do meu irmão?
Marcelo – Respeito. Também tenho uma irmã mais nova.
Carlota – Ok ok – resignou-se.
Marcelo acabou por lhe dar um beijo. Pouco tempo depois, Ana e Cesc voltaram à sala. Conservaram um pouco mas Carlota e Marcelo acabaram por sair e Ana e Cesc por se irem deitar. Ana estava exausta.
Cesc – Dividimos, pode ser?
Ana – Ah?
Cesc – Levantarmo-nos para dar de comer ao Thiago.
Ana – Oh não é preciso. Eu trato disso.
Cesc – Não. E o primeiro “turno” é meu.
Ana – Obrigada.
Os dois beijaram-se. Minutos depois, Ana já dormia profundamente nos braços de Cesc, que ainda assim a acarinhava, mexendo-lhe nos cabelos.

Como correrá o resto destas 24 horas?
E o "segredo" da gravidez de Ana?
Será mantido? Acham que deveria ser mantido?
 
E aqui está o capítulo! Esperemos que tenham gostado e que deixem o vosso comentário ou pelo menos reação (lembro-vos que não precisam de se registar e que basta escolherem uma das opções abaixo, consoante a que expressar melhor a vossa opinião).

Este capítulo número 100 é dedicado a todas as fãs que ao longo destes 100 capítulos nos têm incentivado com os seus comentários assíduos, entre elas Rita Martins, Rita Salgado e Mary.