Páginas

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Capítulo 153 - "Emma"

153 - "Emma"


Estreeou Flaws And All!


  - Como é que eles estão?


- Fora de perigo – respondeu Sofía de imediato, consciente do medo que estaria a envolver Alexis naquele momento – A Adriana e o bebé estão bem – assegurou, vendo Alexis suspirar de alívio.


Aquelas horas tinham sido completamente tortuosas, desumanas. O medo consumira-o de forma atroz e a culpa corroera-o em cada um dos segundos de espera.


- Estão mesmo bem? – quis confirmar.


- A Adriana teve uma ameaça de aborto – explicou – Mas felizmente a situação foi controlada. Já fizemos exames e confirmámos que o bebé está bem. A Adriana está um bocadinho assustada, mas já está a ficar mais calma. Mas a partir de agora, ela terá de estar em repouso absoluto! Nada de esforços, nada de relações sexuais, nada de nada. Descanso, muito descanso!


- A culpa é minha! – disse Alexis completamente angustiado – Não devia ter pensado numas férias com tantas viagens. Ela stressou-se, cansou-se, ela…


- Alexis, Alexis – interrompeu Sofía – Tu não tens culpa nenhuma. Infelizmente as situações de aborto são mais frequentes do que se possa pensar. Estimamos que cerca de 15 a 20% das gravidezes acabem em situações destas. Eu dei à Adriana autorização para viajar, porque ela estava ótima. Quando voltou de viagem, voltei a vê-la e continuava uma grávida exemplar. Falou-me que pensava que andava a ter uma alimentação pouco cuidadosa e que mudaria isso. E foi o que fez. Nada podia fazer prever que isto poderia acontecer, mas o que importa é que a Adriana e o bebé estão bem e que vão precisar de ti mais do que nunca. A Adriana precisa do teu apoio, principalmente emocionalmente. Nestas situações, as mulheres sentem-se assustadas, inseguras, incapazes de proteger o filho. Tens de apoiá-la. E assegurar-te que cumpre à risca o descanso de que precisa!


- Vou fazê-lo, podes ter a certeza. A partir de agora vai correr tudo bem.


- Ela ficará esta noite em observação e se tudo se mantiver bem, ela terá alta amanhã.


- Posso vê-la?


- Dentro de minutos – prometeu Sofía – Agora vou vê-la uma última vez antes de voltar a casa.


- Gracias por teres vindo – disse Alexis com uma gratidão enorme.


- Não precisas de agradecer. A Adriana é minha paciente e quando há alguma coisa com uma paciente minha, eu estou lá. É esse o meu trabalho – explicou com um sorriso amigável – Até já.


Sofía seguiu para a área reservada ao pessoal e Alexis sentou-se pela primeira vez naquela noite. Todo o medo e tensão tinham criado nele um cansaço descomunal.


- Gracias por teres vindo – disse olhando Cesc que estava sentado a seu lado.


- Não tens de quê. Só pensei que pudesses estar a precisar, apesar de imaginar que numa situação destas não te pudesse ajudar muito.


- Gracias na mesma, Cesc – tornou a repetir com franqueza.


- Bem, eu acho que vou voltar a casa. Os miúdos costumam ser calmos, mas bebés têm sempre surpresas – explicou levantando-se – Tu vais ficar por cá?


- Sim, acho que sim. gracias por ficarem com o Thiago.


- Vá, pára de agradecer que até gastas a palavra! – brincou com um ligeiro sorriso – Até amanhã.


- Até amanhã.


Poucos minutos após a partida de Cesc, Sofía autorizou Alexis a visitar Adriana.

Assim que Alexis entrou no seu quarto, as lágrimas vieram aos olhos de Adriana. Alexis apressou-se a aproximar-se dela e a beijá-la na testa, ciente do medo que a invadia.


- Já passou, cariño, já passou – sussurrou envolvendo-a com os seus braços.


- Tive tanto medo, Alexis – confessou por entre lágrimas.


- Mas agora já passou e eu juro-te que tudo vai correr bem – prometeu tornando a beijá-la no rosto.


Alexis acabou por deitar-se junto a ela e senti-la enroscar-se no seu corpo. As lágrimas foram diminuindo e Adriana acabou mesmo por adormecer, sentindo as carícias de Alexis sobre a sua barriga. Assim que viu que Adriana adormecera, Alexis foi invadido por uma tranquilidade que o permitiu também dormir algumas horas.




***




Tal como Sofía previra, Adriana teve alta no dia seguinte. Alexis tinha pedido dispensa dos treinos por problemas familiares, o que lhe permitiu levá-la até a casa e instalá-la o mais confortavelmente possível.

O descanso era mais do que absoluto. Adriana não cozinhava, não passeava pela casa, não tratava de Thiago. No início, o medo que a envolvia fazia-a tolerar tudo isso, mas com o passar das semanas aquilo tornou-se agonizante. Thiago passava o dia na creche e Adriana passava várias horas sozinha a olhar para as paredes quando Alexis estava a treinar.

Isso começava a irritá-la profundamente e quando partilhou a sua frustração com Alexis, ele assinou a sua “sentença de morte”. Alexis aconselhou-a para aproveitar o seu tempo nas redes sociais, a ver coisas para bebés ou a ver algumas séries na televisão.

Adriana apercebeu-se que Alexis se limitara a atirar para o ar sugestões, consciente dos dias desesperadamente aborrecidos dela. Ela percebia que por muito difícil que aquela fase fosse, ela era necessária e Alexis não podia fazer nada.

Estava a ver televisão quando uma série lhe chamou a atenção. Era uma série policial. Havia ação, mistério, emoção, suspense. Tudo o que foi preciso para agarrar Adriana à televisão.

Via cerca de cinco episódios diários e apenas porque impusera a si própria um limite. Aquilo tornara-se a sua maior companhia!




***




Alexis acabava de chegar de mais um treino. Trazia um miminho para Adriana. tinha pensado em comida mas…Adriana estava grávida. Nem ela mesma sabia o que lhe apetecia comer. Trouxe algumas rosas, sabendo bem como ela as adorava.

Contudo, assim que entrou na sala, viu Adriana lavada em lágrimas.


- Qué pasa? – perguntou preocupado ajoelhando-se junto a ela.


- A Malia morreu – explicou completamente afogada em lágrimas – O Chin tentou salvá-la mas não conseguiu – concluiu de olhos pregados na televisão.


- Isto anda-te a fazer mal – disse Alexis, esticando a mão para pegar no comando.


- Alexis Alejandro, não te atrevas a fazê-lo! – a ameaça de Adriana paralisou-o por completo. era o mesmo tom de voz que ela utilizava quando ele decidia mexer na sua taça de gelado.

Alexis recuou pondo as mãos ao alto.


- Cariño, eu só…


- Alexis, isto é a única coisa que me resta – disse com um pouco de dramatismo – Tenho ganas de brincar com o Thiago, de cuidar dele, tenho ganas de sair, de passear, tenho umas ganas desumanas de te saltar para cima e não posso! Não posso nada! Portanto deixa-me estar com a minha série – pediu com uma pontinha de desespero.


Alexis suspirou. Decididamente aquela gravidez não iria ser fácil…




***




- Daniela... – disse Adriana surpreendida ao abrir a porta – Entra.

- Então como tens estado? – perguntou no seu papel de enfermeira.

- Deitada – ironizou Adriana – Isto é muito mais difícil do que se possa imaginar.

- Eu compreendo. Realmente o descanso absoluto nunca é fácil de cumprir – respondeu enquanto se sentavam as duas no sofá.

- Passa-se alguma coisa para estares por aqui? – perguntou Adriana um pouco receosa.

- Não. Está tudo bem. Vim apenas fazer-te uma visita.

- Foi o Alexis que te pediu para cá vires, não foi? – concluiu com o seu sexto sentido bem apurado.

- Talvez… - admitiu Daniela – Ele comentou comigo que estavas a dar em doida por cá – explicou sem rodeios.

- E estou! – confessou Adriana – Juro que suporto estar deitada um dia inteiro ou não poder sair de casa, mas não poder cuidar do Thiago? Isso dá cabo de mim! é meu filho e…eu devia tratar dele!

- Sim, mas já estiveste este mês em repouso e quem sabe se amanhã na consulta não recebes uma boa notícia.

- Achas que posso já não precisar de repouso absoluto? – perguntou não querendo alimentar demasiado as suas esperanças.

- Não digo que fiques sem qualquer tipo de restrições, mas quem sabe se podes ficar um bocadinho mais…independente. Mas isso logo se verá – disse Daniela não a querendo iludir – Tens sentido os movimentos dele? – perguntou apontando a sua barriga.

- Sim – respondeu com um sorriso colocando as suas mãos sobre a sua barriga – Isso descansa-me – confessou – Apesar de ser incomodativo à noite quando quero dormir, mas isso agora nem é um grande problema já que posso dormir a qualquer hora do dia. Enquanto ele se mexe, eu sei que ele está bem, que está feliz.

- Tens falado com ele?

- Sim, e o Alexis também passa muito tempo a falar com ele, mesmo que às vezes não diga nada com sentido – contou com um sorriso – Ele ficou bem treinado com o nascimento do Thiago. Sabe bem que eles começam a ouvir-nos por esta altura – explicou acariciando a sua barriga.

- Já sentiste algum pontapé?

- Hum não, isso não. Apesar de ter o Alexis sempre em cima de mim quando anda por casa à espera que ele se revele, ele ainda não deu provas do seu talento futebolístico – respondeu com algum humor.

- Hum e achas que vem aí menina ou menino?

- Eu estou confiante de que vai ser uma menina! Mas o Alexis acha, ou melhor, quer que seja um menino. Acho que não está preparado para ser pai de uma menina.

- Muito protetor? – tentou adivinhar Daniela.

- Demasiado protetor! – corrigiu Adriana com um sorriso.

O som de Alexis a chegar a casa acabou por interromper a sua conversa. Rapidamente Adriana viu Thiago a correr até ela no seu passo atrapalhado.

- Buenas tardes – disse Alexis chegando à sala, saudando Daniela e beijando Adriana discretamente – Como passaste o dia?

- Deitada – respondeu Adriana, repetindo a piada que havia utilizado com Daniela.

- Bem, eu acho que vou indo. Agora já tens companhia!

- Muito obrigada por teres vindo – agradeceu Adriana.

Daniela despediu-se deles e acabou por sair.

- Alguma preferência para o jantar? – perguntou Alexis sentando-se ao pé de Adriana, enquanto Thiago tratava de espalhar todos os seus brinquedos pelo chão.

- Hum acho que a única preferência que tenho são alguns miminhos, já que o teu filho está numa de me ignorar – respondeu deitando a sua cabeça no colo de Alexis que a acabou por mimar com algumas carícias.




***




- Ok, já sei o sexo – anunciou Sofía, olhando atentamente a ecografia no monitor – Digo?

- Sim, sim – disse Adriana ansiosa.

- Parabéns vão ser pais de uma menina!

- Uma menina? Tens a certeza? – perguntou Alexis.

- Absoluta. Aliás é uma linda menina! – corrigiu – Ela está de excelente saúde – assegurou, roubando de imediato um enorme sorriso a Alexis e Adriana. Aquilo sim eram ótimas notícias!

Ficaram durante mais alguns instantes de olhos no monitor, mas a ecografia acabou por terminar. Alexis ajudou Adriana a limpar o gel que tinha sobre a barriga e a descer da maca, para depois seguirem de novo para a sala de consultas.

- Recebi ontem os exames que te pedi que fizesses no início da semana – explicou Sofía – E, juntamente com este ecografia, eles dão-me razões suficientes para te levantar o repouso absoluto – um sorriso gigante espelhou-se no rosto de Adriana – Mas – Sofía deu ênfase àquele mas – Há certas limitações. Vais poder fazer a tua vida relativamente normal: tomar conta do Thiago, passear, fazer as tuas coisinhas mas com moderação. Nada de levantar pesos ou de fazer esforços desnecessários! As boas noites de sono são obrigatórias, bem como uma sesta por dia. É uma maneira de eu saber que descansas realmente! Ah e as relações sexuais continuam interditas e assim continuarão até ao fim da gravidez.Dúvidas?


- Só mesmo o nome que vamos dar à menina! – respondeu realmente feliz por aquelas boas notícias.


- E sobre onde é que vou comprar uma boa arma para manter os rapazes longe – acrescentou Alexis.


- Se fosse a ti, começava já à procura. Os bebés da maternidade costumam ser atiradiços – gracejou Sofía.




***




- E se fosse um nome português? Me gusta…Diana, Joana. Mas também gosto de Alicia, Mia, María…


- Cariño, cariño, calma! Vamos ter tempo para escolher!


Depois de saírem do consultório, tinham decidido ir até ao centro da cidade passear um pouco. Tinham acabado por se sentar num banco de jardim, onde Adriana devorara o seu gelado.


- Ai Alexis estão tão feliz por já poder sair de casa, pegar no Thiago…


- Sim, sim, mas com juizinho! – advertiu Alexis.


- O teu pai é tão chato! – picou, acariciando a sua barriga.


- Não ligues à tua, mãe – disse Alexis pondo igualmente a sua mão sobre o ventre de Adriana – A tua mãe é pior que uma criança.


Naquele mesmo instante, Adriana sentiu o primeiro pontapé da sua pequenina.


- Sentiste? – perguntou olhando Alexis com um sorriso completamente encantado.


- Sim, senti – respondeu com uma cópia do sorriso de Adriana no seu rosto – Será que vai dar outro? – perguntou fascinado.


- Não sei. Vamos esperar.


Adriana e Alexis quedaram-se assim: sentados naquele banco de jardim, com as suas mãos sobre a barriga de Adriana esperando um novo movimento.

Não eram raras as pessoas que passavam e comentavam. Contudo, pareciam aperceber-se de que era um momento especial para eles, resolvendo deixá-los sossegados.

Apesar das expetativas de Adriana e Alexis, a sua menina não se tornou a manifestar. Optaram por saciar o desejo de morangos de Adriana e seguir em direção à creche de Thiago, enquanto discutiam as possibilidades de nome da sua menina.




***



Oito meses.

Era isso que Adriana via ao espelho naquela manhã: oito meses de gravidez.


- Já faltou mais – disse Alexis cercando-a com os seus braços.


- Sim… E o que é que eu visto?


Alexis não pôde deixar de gargalhar com a preocupação tão típica de Adriana.


- Não rias!


- Guapa, sabes que não te posso ajudar. Tudo o que eu sugiro, tu nunca escolhes – Adriana lançou-lhe um olhar reprovador, apesar das suas palavras serem totalmente verdadeiras – Hum mas acho que vou tratar do Thiago – decidiu ouvindo o seu choro – Até já – disse dando-lhe um beijo no rosto.


Aqueles últimos meses tinham passado de forma quase fulminante! Assim que Adriana deixara o repouso absoluto, o tempo passara a correr.

Começara a planear o nascimento da sua menina. O quarto fora o seu primeiro alvo de atenção. Rapidamente se decidiu de como ele iria ser e Alexis deu-lhe total liberdade nesse aspeto. 




Depois…depois perdeu-se em lojas de roupa. Podiam-se encontrar coisas absolutamente irresistíveis e isso era uma enorme tentação para Adriana. Estava segura que apesar de ainda não ter nome, a sua filha já tinha roupa pelo menos até ter um ano de idade!

Sim, a sua filha ainda não tinha nome! A discussão andava acesa entre Alexis e Adriana. Oito nomes estavam em cima da mesa: Alicia, Emma, Mia, Elena, Flor, Matilde, Diana e Magalí. Ambos gostavam de todos aqueles nomes, mas quando se tratava de escolher o que mais gostavam, aí o acordo não existia, mesmo que apenas já faltassem 4 semanas para o momento.

O momento…o momento do parto. Não era fácil para Adriana lidar novamente com aquela experiência. As aulas de preparação para o parto já tinham começado e Alexis tinha-a acompanhado em cada uma delas. Contudo, o medo continuava a preenchê-la…

Mas em geral a gravidez de Adriana era pura fonte de alegria! Apesar do susto inicial, estava a ser uma gravidez muito pacífica, embora os desejos estivessem sempre a atacá-la para infelicidade de Alexis. Gelados estavam a ser a loucura desta gravidez, depois dos chocolates a terem conquistado quando estivera grávida de Thiago.

Thiago… Thiago era a delícia de Adriana e Alexis. Corria por toda a casa e as primeiras palavras começavam a surgir. Repetia algumas palavras como “mamã” e “papá”, mas “mamã” era a única que ele realmente utilizava. Por vezes, quando acordava de manhã, chamava por ele em vez do típico choro. Era simplesmente a melhor forma de acordar! Para além disso, percebia tudo o que os pais lhe diziam e até já aprendera a fazer birra!

Já a gravidez de Adriana era alvo da curiosidade de todos! A sua gravidez de risco tinha rapidamente sido noticiada e vendido várias revistas, contudo Adriana deixou-se sempre à margem de tudo isso. Não se coibia de partilhar fotos através das suas redes sociais. Queria apenas ter uma gravidez digna da mulher normal que era!

A única entrevista que dera estando grávida tinha sido à enormemente prestigiada Vogue. Tinha tirado algumas fotografias e falado um pouco da sua gravidez.











Já o seu book de grávida estava entregue a Ana. Ela estava terrivelmente entusiasmada com o projeto. Não iria ser a usual tarde de fotos, chapadas num livro a preto e branco. Ana estava a recolher várias fotos em diversos momentos quotidianos da família e outros devidamente preparados, que tencionava selecionar para o book que entregaria a Adriana como prenda de nascimento.

Quanto à vida profissional de Adriana, ela tinha dado uma volta inesperada. Quando engravidara e com o trabalho como modelo em standby, esperava ficar por casa a estudar propostas para o futuro. Contudo, uma proposta repentina apareceu vinda da Barça TV. Adriana tinha sido convidada para fazer um trabalho…distinto. Queriam que ela entrevistasse os jogadores do clube, mas de uma forma bem mais pessoal. Adriana tinha de dar a conhecer o outro lado dos jogadores, numa conversa descontraída e divertida. Ela ficara receosa com a proposta, mas acabara por aceitar. Assim nascia o "Yo soy culé".

O resultado ultrapassara as suas melhores expetativas. O programa era um enorme sucesso e Adriana já havia entrevistado algumas das maiores figuras do Barcelona como Leo Messi, Neymar, Xavi, Iniesta, Cesc, Piqué.

Adriana tinha-se adaptado bem àquela forma de trabalhar. Estudava um pouco das vidas de quem tinha de entrevistar e depois guiava uma conversa que se ia desenrolando facilmente. Adriana conhecia todos aqueles jogadores: eram colegas de Alexis, portanto não era raro estarem juntos. Esse facto apenas tinha ajudado. Havia uma maior confiança, Adriana sabia até onde podia ir com as suas perguntas. Não era uma conversa que pretendia vasculhar a vida privada deles, era uma conversa onde eles podiam dar a conhecer de si o que achavam que deviam dar.

O sucesso do programa fora tal que a escolha do último entrevistado (já que Adriana entrava no seu último mês de gravidez e afastava-se assim da vida profissional) ficara nas mãos dos adeptos, através de uma votação nas redes sociais. Antes mesmo da sondagem começar, já Adriana sabia onde iria acabar…

Alexis.

Alexis tinha sido o escolhido. Ela teria de entrevistar o seu marido da forma mais profissional possível. Estudar um pouco da sua vida era totalmente desnecessário, mas era um enorme desafio saber o que lhe perguntar. Ele teria de falar dela: era sua mulher, mãe do seu filho, estava grávida da sua próxima filha. Era impossível não lhe perguntar coisas sobre a esposa dele e ela sabia que aquilo criaria um ambiente ligeiramente incomodativo. Adriana via e revia as entrevistas aos convidados anteriores tentando criar um paralelo para a entrevista de Alexis. Queria usar as mesmas perguntas na medida do possível para ter a certeza que ela inconscientemente não estava a afastar as perguntas de si.

Apesar do desconforto de Adriana, Alexis estava extremamente animado com a entrevista. Adriana sabia bem que ele não se iria controlar e algumas coisas falhariam, mas tentava descontrair-se e pensar que a entrevista não era em direto e ainda passava por uma fase de edição onde os produtores saberiam suprimir as partes que não corressem como previsto.

A entrevista era hoje. Era feriado em Espanha e por isso Thiago estaria por casa, onde seria realizada a entrevista, portanto esperariam que ele adormecesse à tarde para poderem trabalhar sem imprevistos.

Adriana continuava em frente ao armário. O que vestir?

Decidiu ir tomar um banho e depois voltar a pensar no assunto. Quando regressou ao quarto, reparou que tinha um vestido sobre a cama com um bilhete.




“Veste este! Eu e o Thiago fomos buscar-te uns panikes. Te quieremos”



Adriana sorriu. Sim, aquele vestido estava perfeito. Iria pela primeira vez aceitar a sugestão de Alexis em vez de a contrariar por completo. Quando acabou de se preparar, ouviu alguém a entrar em casa. Thiago correu para si a dizer “mamã, mamã”, já Alexis olhava-os com um sorriso enquanto pousava as coisas na cozinha.

- Preciosa como siempre – disse Alexis aproximando-se dela e beijando-a – Não te preocupes. Tu nunca terás destes problemas, filha – falou agarrando a barriga de Adriana – Eu vou sempre escolher-te a roupa.

- Sim, vais ter um monte de batinas de freira! – ironizou Adriana – Não te preocupes, Alexis, ela saberá escolher bem a roupa!

- Desde que não haja saias tudo bem! – respondeu mostrando-se protetor.

- Sim, sim. Porque é que tenho a sensação que ainda lhe vais dar dinheiro e levá-la ao shopping para ela passar duas horas a escolher saias curtas e camisolas decotadas? – perguntou Adriana enquanto se sentava à mesa, colocando Thiago ao seu colo.

- Estás a dizer que eu vou ser facilmente manipulável pela minha filha? – quis confirmar, sentando-se em frente a ela.

- Sim, estou a dizer que ela te vai dar sempre a volta.

- Isso é mentira!

- Oh claro que é mentira. Não é, Thiago? O pai nunca faz tudo o que tu queres…




***


A casa enchia-se de técnicos. Thiago olhava-os curioso e rapidamente tentou ir explorar todo o material que começava a encher a sala. Facilmente engraçou com os elementos da equipa de produção, fazendo questão de “persegui-los” e atrair a sua atenção.

Era difícil para Adriana e Alexis controlá-lo até porque a equipa gostava do entusiasmo dele. O lado positivo é que adormecê-lo foi quase instantâneo.

Com Thiago no berço, Alexis e Adriana prepararam-se para começar a entrevista.

- Vamos a isto – disse Adriana – E pelo amor de Deus facilita-me a tarefa, Alexis! – implorou quando ainda estavam fora do ar.

- Até parece que eu costumo dificultar-te a vida! – respondeu fingindo-se inocente.

Depois daquelas palavras trocadas, a entrevista teve o seu início.

Adriana começou por fazer perguntas sobre a infância de Alexis, sobre a sua educação e o papel da sua mãe nela e sobre o seu início no futebol. Também fez algumas questões sobre o seu país, que recordações tinha, de que sentia falta, para depois abordar o papel que os jogadores de futebol tinham na vida das crianças e nos seus sonhos. O contrato com o Barcelona tinha estado também em cima da mesa, como tudo tinha acontecido, quais as melhores memórias que tinha dentro do clube, o que ainda esperava viver.

Mais de metade da entrevista estava já completa, faltava agora entrar pela parte mais difícil: a vida mais pessoal de Alexis.




- Qual foi o dia mais feliz da tua vida?


- Foi o dia do meu casamento. Normalmente, quem é pai diz que o dia mais feliz da sua vida foi o nascimento dos seus filhos, mas o dia do nascimento do meu filho Thiago foi difícil. Tive muitos momentos de medo porque o parto foi complicado. Claro que quando o tive pela primeira vez nos meus braços foi um dos momentos mais bonitos e inesquecíveis da minha vida. Mas se eu tivesse de escolher o dia mais feliz da minha vida teria de ser o meu casamento, porque nesse dia fui plenamente feliz em cada um dos segundos.




- Desde que conheceste a tua esposa até se casarem foi tudo muito rápido. Uma relação relâmpago como se escreve na imprensa… Como é que se conheceram?


- Sim… (Alexis sorriu um pouco perdido em recordações) Quando eu vi a Adriana…não sei, naquele momento eu soube que ela não estava de passagem, estava para ficar na minha vida. É quase…irónico porque eu era o tipo de pessoa que não acreditava no amor, que não tinha relações sérias e de repente fui apanhado pelo amor à primeira vista, que devia ser a coisa em que menos acreditava neste mundo. acho que para quem nunca viveu algo assim, não vão conseguir acreditar que é possível apaixonarmo-nos por alguém assim que a vimos. Não digo que eu tenha visto e pensado “estou louco por esta mulher dava a vida por ela” (Adriana não resistiu a rir-se contidamente devido à expressão que Alexis utilizara), mas…ela mexeu comigo, voltei para casa a pensar nela. Conhecemo-nos numa sessão fotográfica de pré-época do Barcelona. Ela estava a começar a carreira como modelo e…e era realmente muito bonita. Continua a sê-lo!




- Daí ate começarem a namorar e casarem foi muito rápido…


- Sim, é verdade. Mais uma vez, se me dissessem “vais conhecer uma mulher e casar-te com ela alguns meses depois”, eu não acreditaria, rir-me-ia disso! Só a ideia de casar-me parecia absurda. Mas…a verdade é que aconteceu. (Alexis fez uma pausa, mas Adriana percebeu que ele ainda ia dizer mais alguma coisa) A Adriana alguns dias depois de nos conhecermos foi assaltada e…e esteve muito mal. Acho que esse momento mudou a minha perspetiva da vida. Quando somos jovens sentimo-nos quase imortais, porque a morte natural parece-nos tão longínqua que não nos preocupa. Quando vi a Adriana perto da morte, todo esse sentimento de imortalidade desapareceu e comecei a ter mais respeito pelo tempo. Não tenho pressa de viver, mas acho que hesito menos a tomar decisões que me fazem feliz.




- Entretanto divorciaste-te e casaste-te com a tua ex-mulher…

- Sem dúvida que a melhor coisa que me podia acontecer depois do meu divórcio era casar-me com a minha ex-mulher. O divórcio foi a fase mais difícil da minha vida. Deixei-me manipular por quem apenas me queria mal e…acabei por deixar que o medo de perder a minha esposa fosse maior que a minha confiança nela. A Adriana é modelo, uma modelo de topo, e…eu deixei-me influenciar e comecei a pensar que o mundo da moda a mudaria, que ela acabaria por esquecer-se da família. Tentei encostá-la à parede e fazê-la abdicar da carreira. Fui uma autêntica besta e não tenho vergonha de o dizer. Felizmente, vi que estava errado a tempo e…e consegui reconquistar a minha esposa.




- Quando é que começaste a perceber que fazias sucesso entre as mulheres?


- Eu não sabia que fazia sucesso entre as mulheres…



- Mentiroso… - sussurrou Adriana com um sorriso – E o que é que te atrai numa mulher?


- Eu ainda vou arranjar problemas com a minha esposa à conta desta entrevista… – gracejou – Mas eu gosto delas altas, de olhos azuis, cabelos castanhos, portuguesas, modelos da Victoria’s Secret…



Adriana não resistiu a sorrir. Dar uma descrição inequívoca dela própria? Ele tinha-se safado muito bem.




- Qual é a experiência de ser pai?


- É absolutamente fantástica! Ser pai mudou-me por completo. O Thiago é uma das pessoas mais importantes da minha vida, é uma fonte enorme de felicidade. Vê-lo a aprender a andar, a aprender a falar, a começar a perceber tudo o que lhe dizemos, a fazer as suas birras, a pedir para brincar… é tudo completamente único. Ser pai muda a nossa visão da vida. O mais pequeno gesto parece enorme, gigante!




- Como costumas aproveitar o tempo que tens com ele?



Alexis viu Adriana levar a sua mão à sua barriga instantaneamente e percebeu que a sua menina estava a pedir atenção.



- Está a dar pontapés? – perguntou esquecendo-se por completo da entrevista.


- Oh Alexis! – reclamou Adriana, fazendo a equipa de produção rir.


- Oh eles cortam esta parte – desvalorizou, aproximando-se de Adriana e ajoelhando-se junto a ela. Colou as suas mãos à barriga dela que as guiou para onde estava a sentir os pontapés – Olha, olha – disse entusiasmado apontando para a barriga de Adriana, onde se podia ver claramente a forma de um pezinho. 

As câmaras aproximaram-se disfarçadamente, mesmo que as imagens não fossem integradas na entrevista, estavam seguros de que iriam ser recordações que Adriana e Alexis quereriam guardar.

Assim que a pequenina acalmou, Alexis voltou ao seu lugar e recomeçaram a entrevista.


- Alguém sabe onde é que eu ia? – perguntou Adriana.


- Estavas a perguntar-me o que fazia com o Thiago – respondeu Alexis.


- Ah vale. Então vamos a isso – Adriana fez uma pausa, voltando a entrar na sua vertente mais profissional.




- Como é que costumas aproveitar o tempo que passas com o teu filho?


- Eu gosto bastante de mostrar-lhe coisas novas. Ele está numa idade em que não tem grandes restrições alimentares, por isso, gosto que ele experimente sabores novos. Também passamos muito tempo com a bola, deve ser dos brinquedos que ele mais gosta. Há várias bolas espalhadas cá por casa e de vez em quando ele anda a passear pelos corredores com uma bola nas mãos à minha procura. Às vezes passamos horas à volta da bola e às vezes ele até se senta e fica a olhar muito atento para mim enquanto dou uns toques. Ele é muito atento, muito observador, muito curioso. E depois tem os seus desenhos animados prediletos. Sei decor o número de todos os canais de televisão para crianças que existem. Sei quais são os desenhos animados de que ele gosta e de que não gosta. Ser pai tem destas coisas.




- Dentro de um mês, terás o teu segundo filho, uma menina. Como é viver uma gravidez tão de perto?

- É trabalhoso. Sou o responsável por tratar dos desejos da minha esposa. Felizmente, até agora tem sido tudo coisas muito acessíveis, uns gelados, uns panikes, muita paciência para as toneladas de vestidinhos comprados… Podia ser pior!




- Qual é a melhor parte de uma gravidez?


- Eu acho que é ver toda a evolução, ver a barriga a crescer, sentir os pontapés, ver as ecografias. Escolher o nome também seria muito útil por acaso, mas não está a ser fácil…




- Por culpa tua… - murmurou Adriana, perante a provocação de Alexis.


- Por mim já tínhamos escolhido!


- Alexis!


- Oh eles cortam esta parte também! Hoje são as 36 semanas, combinámos que daqui não passava.


- E o que sugeres fazer se não conseguimos chegar a acordo?


- Um sorteio!


- Um sorteio? – perguntou Adriana – Estás a pensar decidir o nome da nossa filha à sorte?


- Não é bem à sorte. Pomos todos aqueles nomes que gostamos e depois tiramos um.


- Vale – concordou Adriana após alguns segundos de “reflexão” – É a única maneira de decidirmos isto!


- Fazemos isso agora?


- Importam-se? – perguntou Adriana olhando a equipa de produção.


- Estejam à vontade!


Alexis tratou de escrever as oito opções que tinham, de colocá-las dentro de um dos seus chapéus e de misturar os papéis energicamente. Adriana tirou um deles e Alexis juntou-se a ela para verem ao mesmo tempo o resultado.


- Emma – disseram em uníssono com um sorriso.


- Era dos meus favoritos – confessou Adriana.


- Emma será! – anunciou Alexis.


- E agora vamos acabar a entrevista de uma vez por todas! - suplicou Adriana.

- Vamos a isso! - Alexis deu-lhe um pequeno beijo nos lábios e voltou ao seu lugar.


- O facto de vir aí uma menina assusta-te de alguma f...

Ainda Adriana não tinha conseguido terminar a sua questão, quando o choro de Thiago se fez ouvir. Tinha acordado. mais uma interrupção!

- Eu vou lá! - ofereceu-se Alexis, levantando-se e dirigindo-se ao quarto.

Em segundos estava de novo na sala com Thiago que estava visivelmente bem-disposto. Thiago caminhava em direção a Adriana e Alexis "ameaçava" apanhá-lo, o que o fazia gargalhar ao mesmo tempo que apressava o seu passo. Alexis acabou por apanhá-lo e agarrá-lo nos seus braços, ouvindo as risadas deliciosas de Thiago.
Adriana mimou-o por minutos e depois Alexis sentou-o no chão com alguns brinquedos à sua volta, voltando à entrevista.

- O facto de vir aí uma menina assusta-te? - voltou a perguntar Adriana.

- Por enquanto  não, mas não nego que provavelmente serei um pai muito protetor quando ela crescer e os rapazes começarem a aparecer.


- O que de mais importante achas que podes dar aos teus filhos?

- Para além de um amor incondicional e infinito, acho que lhes posso dar carinho, atenção, apoio - Naquele momento, Thiago aproximou-se de Alexis com uma bola entre as mãos, claramente à procura de brincadeira. Alexis pousou-o no seu colo e falou-lhe: Ficas no colo do papá um bocadinho. Já vamos brincar, está bem? - Thiago acenou afirmativamente com a cabeça, levando Alexis a sorrir. Thiago já percebia tudo o que lhe diziam e sempre que lhe perguntavam "está bem" ele concordava sempre abanando a cabeça - Sobre a pergunta - retomou olhando Adriana que os olhava embevecida. aquela parte não daria para cortar, mas ela não estava minimamente preocupada, estava simplesmente orgulhosa da sua família - Para além do amor e do afeto, quero dar-lhes também uma educação, passar-lhes os bons valores, a importância do respeito, do esforço, da lealdade.


- És feliz? 

Aquela era sempre a última pergunta das entrevistas. Parecia uma pergunta simples mas deixava sempre os entrevistados pensativos. Fazia-os sempre pensar no que tinham e no que ainda queriam ter.

- Sou. Sou plenamente feliz. Faço o que gosto e tenho a família que nem em sonhos poderia ter imaginado. Tenho um filho que me enche de alegria todos os dias, em breve terei uma filha por qual serei encantado e tenho uma esposa que amo com todo o meu coração e que me faz o homem mais feliz deste mundo - disse, atrevendo-se a esticar a mão para Adriana que a apertou prontamente num gesto carinhoso e íntimo.


***


Adriana não tinha participado na edição da entrevista, já que nunca o fazia. Sempre deixara esse trabalho para quem tinha competências para o fazer.
A entrevista tinha sido um autêntico sucesso! As "gaffes" tinham sido também reveladas e no fim até se pudera ver Alexis e Thiago a brincar com a bola. Aqueles minutos corriam o mundo e faziam Espanha "apaixonar-se" por aquela família.
Entretanto, mais de três semanas tinham passado. 
Novembro estava a começar bem como a derradeira semana de gravidez de Adriana. Alexis tinha partido em estágio e Adriana e Thiago tinham ficado com a companhia de Ana e Lía já que Emma poderia decidir nascer a qualquer hora.
Estavam a jantar com Antonella quando Adriana sentiu uma dor incomum nas costas.

- Estás bem? - perguntou Ana.

- Não sei. Senti uma dor estranha nas co... Au - disse levando as mãos à barriga - Foi uma contração - gaguejou visivelmente assustada.

- Calma, nós vamos para o hospital já - garantiu Ana tentando impedi-la de entrar em pânico.

- Eu fico com os miúdos - disponibilizou-se de imediato Antonella.

- Não, Ana, o Alexis não está aqui. Eu preciso dele! - disse Adriana verdadeiramente desesperada.

- Ei calma, Di - pediu Ana aproximando-se dela - Vai tudo correr bem. Vamos para o hospital e eu vou ligar ao Alexis. Desta vez, vai tudo correr bem. Eu prometo-te!


Como correrá o parto de Adriana?
Alexis estará presente?


Buenas noches!
Prometido é devido! O Benfica passou e o capítulo cá está! Espero que tenham gostado, porque é para vocês que escrevo! Já sabem espero os vossos comentários ;)

NOTAS:
Speed Of Love está de volta!

Estreeou Flaws And All! Vão lá espreitar que vale a pena!!

Besazo
Ana Santos